Esclarecimentos doutrinais

Luís Eugênio Sanábio e Souza

                Escritor

1º) Ordenação sacerdotal: Por que a Igreja Católica não ordena mulheres para o sacerdócio ? A Igreja se reconhece vinculada ao plano de Cristo, que quis escolher somente homens para formar o grupo dos apóstolos. Os apóstolos fizeram o mesmo quando escolheram aqueles que seriam seus sucessores. Portanto, não cabe ao poder da Igreja ordenar mulheres. Não se trata de não querer, mas de não poder ordenar. O saudoso Papa João Paulo II explicou que “o fato de Maria Santíssima, Mãe de Deus e Mãe da Igreja, não ter recebido a missão própria dos apóstolos nem o sacerdócio ministerial, mostra claramente que a não admissão das mulheres à ordenação sacerdotal não pode significar uma sua menor dignidade nem uma discriminação a seu respeito, mas a observância fiel de uma disposição que se deve atribuir à sabedoria do Senhor do universo. A presença e o papel da mulher na vida e na missão da Igreja, mesmo não estando ligados ao sacerdócio ministerial, permanecem, no entanto, absolutamente necessários e insubstituíveis” (Carta Apostólica “Ordinatio sacerdotalis” nº 3). 

2º) Aborto: Por que a Igreja Católica não aprova o aborto dito “terapêutico” (sobretudo quando há risco de morte para a mãe) ? A Igreja explica que o fim não justifica os meios (Romanos 3,8) e aqui este princípio bíblico significa que uma boa intenção (preservar a saúde da mãe) não torna boa nem justa uma ação má em si (matar a criança inocente). “A decisão deliberada de privar um ser humano inocente da sua vida é sempre má do ponto de vista moral, e nunca pode ser lícita nem como fim, nem como meio para um fim bom” (Papa João Paulo II: Encíclica Evangelium vitae nº 57). Existem atos que por si mesmos e em si mesmos, independentemente das circunstâncias e intenções, são sempre gravemente ilícitos, em virtude de seu objeto. São atos que, na tradição moral da Igreja, foram denominados “intrisecamente maus” (intrinsece malum). A história atesta que, desde o século I, a Igreja afirmou a maldade moral de todo aborto direto, quer dizer, procurado como um fim ou como um meio para um fim bom.

3º) Divórcio: Por que a Igreja Católica reprova o divórcio ? É porque Jesus Cristo ensinou que o casamento é indissolúvel e que o “homem não deve separar o que Deus uniu” (Marcos 10,9). Diante da injusta mentalidade divorcista presente na sociedade contemporânea que desvaloriza a fidelidade matrimonial e prejudica a família, a Igreja cumpre o seu dever de anunciar os ensinamentos de Jesus Cristo sobre a indissolubilidade e a dignidade do casamento. Pode acontecer que um dos cônjuges seja a vítima inocente do divórcio decidido pela lei civil; neste caso, ele não viola o dever de manter responsavelmente o compromisso do amor conjugal. A Igreja afirma que embora não possam ter acesso aos sacramentos (Eucaristia, Confissão e etc…), os divorciados recasados não estão separados da Igreja e por isso são chamados a frequentar a missa, a perseverar na oração, a dar sua contribuição às obras de caridade e a educar os filhos na fé cristã.

Uma resposta to “Esclarecimentos doutrinais”

  1. katia maria lima netto Says:

    FELIZ ANIVERSÁRIO!!!!!!!!!!!
    MUIIIITA SAÚDE E PAZ.
    BJOS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: