Quaresma e Campanha da Fraternidade

            A Igreja no Brasil, desde 1962 celebra a Campanha da Fraternidade. Como o próprio nome diz a Campanha da Fraternidade nasceu por iniciativa das Caritas. A princípio o objetivo era adquirir fundos para ajudar a Igreja Católica a manter suas obras assistenciais. Teve um papel determinante o Cardeal Dom Eugênio de Araujo Sales, Arcebispo Emérito do Rio de Janeiro. Sem a ajuda e o entusiasmo do velho arcebispo que, na época era bispo auxiliar de Natal, nada teria acontecido. Nessa teia de boas almas nos deparamos com bispos com Dom Helder, Dom Luciano Mendes, Dom Ivo e o cardeal Dom Aloísio que incentivaram e fizeram a Campanha tomar corpo tornando não só uma Campanha da Fraternidade, mas  também uma Campanha de evangelização.

            É a maior Campanha de Evangelização do mundo. Na Campanha da Fraternidade não há o proselitismo dos pentecostais e nem o exclusivismo dos evangélicos, mas o dar as mãos. Inclusive já se realizou duas Campanhas ecumênicas, o que atesta o que acabo de dizer.

            Com a campanha da Fraternidade a Igreja se preocupa com temas que diz respeito à vida do povo. Cumpre seu papel profético de denúncia e anúncio. Basta pensar nas Campanhas que trataram o tema dos Negros, da Mulher, dos Presidiários, dos Índios, da política, da comunicação Social, das Drogas, enfim, citei esses só para relembrar alguns. Quanta coisa mudou depois que a Igreja denunciou as atrocidades cometidas contra os negros, as mulheres pobres e marginalizadas, o povo de rua, as injustiças e condições subumanas que viviam os presos nas cadeias. A Igreja denunciou o abuso do poder público, os desvios de verbas, o descaso para com a coisa pública e a consonância com o tráfico e o crime organizado por parte de algumas autoridades conforme veio a tona com o escândalo da loterge, do jogo do bicho, das ambulâncias, do mensalão e tantos outros que o Brasil ainda não esqueceu.

            Neste ano a Igreja quer que pensemos na saúde. Vamos organizar grupos de reflexão, de oração e de participação nos Conselhos de saúde, pois não basta querer saúde pública é preciso participar.

Deus abençoe a todos!

Pe. Camilo

Facebook Camilo paiva 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: