Archive for the ‘Curso sobre a Fe’ Category

Um comentario maravilhoso, por isso publiquei

julho 5, 2010

O documento que estar fazendo os evangelicos – protestantes – verem que os católicos estão certos e que eles, os protestantes, estão errados. Que nós somos os verdadeiros cristão e eles, os evangelicos, os usurpadores do cristianismo:

DEUS É IDOLATRA?

Não! Então, porque mandou que Moisés fizesse a imagem de uma serpente de bronze?

“Moisés fez, pois, uma serpente de bronze, e fixou-a sobre um poste. Se alguém era mordido por uma serpente e olhava para a serpente de bronze, conservava a vida”. (Números 21, 4-9).

“Como Moisés levantou a serpente no deserto. Assim deve ser levantado o Filho do Homem, para que todos que nele crer tenha a vida eterna”. (João 3, 14-21).

Obs: Quem usa uma cruz vazia, sem Jesus Cristo nela, comete o erro de se negar a olhar para aquele a quem as Sagradas Escrituras falou que seria levantado, como o foi a serpente no deserto que todos olhavam para ser curado da mordida de cobra – picada – Olhe para Jesus na cruz, como os hebreus olhavam para a serpente de bronze que Moisés fez e fixou-a sobre o poste. Porque, a cruz vazia é apenas um instrumento de morte. Já a cruz com Jesus Cristo nela: é símbolo de nossa salvação. Pois, também está escrito: “Com efeito, a linguagem da cruz é loucura para os que se perdem, mas para os que estão sendo salvos, para nós, ela é poder de Deus. Pois, está escrito; eu destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos inteligentes”. (I Coríntios 1, 18-20).

E mais tema dizer a bíblia, para maior entendimento da palavra de Deus?

“Nós, porém, pregamos um Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os pagãos, mas para os que são chamados, tanto judeus quanto gregos, ele é Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus”. (I coríntios 1, 23-24).

E para dissipar toda e, qualquer duvida a respeito da cruz de Jesus Cristo a bíblia declara?

“Eu, por mim, nunca vou querer outro titulo de gloria que não seja a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo, por ela, o mundo está crucificado para mim, como eu para o mundo”. (Gálatas 6, 14).

Vemos claramente, na passagem do livro de Gálatas, que não pode haver outro titulo de gloria para aquele que segue a Jesus, que a cruz onde ele pode ser visto, como era vista a serpente de bronze, pelos hebreus.

Os irmãos protestantes – que no Brasil são conhecido como, evangélicos – devem também lembrar que Deus mando que Moisés fizesse a imagem de dois anjos – querubins – para serem postas sobre a Arca da Aliança, onde estavam guardados Dez Mandamentos da Lei de Deus, como pode ser lido em Êxodos 25, 18. E, mais uma vez volto a perguntar? Deus é idolatra, por ter ordenado que Moisés fizesse a imagem de uma serpente para curar os hebreus da picada de cobras e por ter mandado que ele fizesse a imagem de dois querubins para serem colocadas sobre a Arca da Aliança? Por certo que não! Pois, quando Deus falou para o povo hebreu que não adorasse a ídolos e não fizesse para si, imagens deles, estava se referindo unicamente aos falsos deuses do Egito. Tanto é verdade que ele advertiu ao povo, avisado para que eles não construíssem para si, imagem daquilo que estava nas nuvens do céu – uma clara referencia aos desuses do Egito, em forma de pássaros – que não fizesse para si,
imagens das coisas que caminhavam sobre a terra – os deuses do Egito em forma de cabras, bois, gatos e outros mais – que não fizessem para si, imagens das coisas que se moviam nas águas dos mares – os desuses do Egito em forma de crocodilo, de hipopótamo e outras coisas mais. Os falsos deuses do Egito, que vocês poderão ver, nas fotos abaixo:

“Não farás para ti ídolos ou coisas alguma que tenha a forma de algo que se encontre no alto do céu…”. (êxodo 20, 4):
O íbis é uma ave pernalta de bico longo e recurvado. Existe uma espécie negra e outra de plumagem castanha com reflexos dourados, mas era o íbis branco, ou íbis sagrado, que era considerado pelos egípcios como encarnação do deus Thoth.
O deus nacional do Egito, o maior de todos os deuses, criador do universo e fonte de toda a vida, era o Sol, objeto de adoração em qualquer lugar. A sede de seu culto ficava em Heliópolis (On em egípcio), o mais antigo e próspero centro comercial do Baixo Egito. O deus-Sol é retratado pela arte egípcia sob muitas formas e denominações. Seu nome mais comum é Rá e podia ser representado por um falcão.
“…embaixo na terra…”. (Êxodo 20, 4):
Boi sagrado que os antigos egípcios consideravam como a expressão mais completa da divindade sob a forma animal e que encarnava, ao mesmo tempo, os deuses Osíris e Ptá. O culto do boi Ápis, em Mênfis, existia desde a I dinastia pelo menos. Também em Heliópolis e Hermópolis este animal era venerado desde tempos remotos. Antiga divindade agrária simbolizava a força vital da natureza e sua força geradora.
Uma gata ou uma mulher com cabeça de gata simbolizava a deusa Bastet e representava os poderes benéficos do Sol. Seu centro de culto era Bubástis, cujo nome em egípcio – Per Bast – significa a casa de Bastet. Em seu templo naquela cidade a deusa-gata era adorada desde o Antigo Império e suas efígies eram bastante numerosas, existindo, hoje, muitos exemplares delas pelo mundo. Quando os reis líbios da XXII dinastia fizeram de Bubástis sua capital, por volta de 944 a.C., o culto da deusa tornou-se particularmente desenvolvido.
“…ou nas águas debaixo da terra.”. (Ê xodó 20, 4):

Um crocodilo ou um homem com cabeça de crocodilo representava o deus Sebek, uma divindade aliada do implacável deus Seth. Seu centro de culto era Crocodilópolis, na região do Faium, onde o animal era protegido, nutrido e domesticado. Um homem ferido ou morto por um crocodilo era considerado privilegiado. A adoração desse animal foi, sobretudo importante durante o Médio Império.
Tueris era a deusa-hipopótamo que protegia as mulheres grávidas e os nascimentos. Ela assegurava fertilidade e partos sem perigo. Adorada em Tebas, é representada em inúmeras estátuas e estatuetas sob os traços de um hipopótamo fêmea erguido, com patas de leão, de mamas pendentes e costas terminadas por uma espécie de cauda de crocodilo. Além de amparar as crianças, Tueris também protegia qualquer pessoa de más influências durante o sono.

E, para que não haja mesmo qualquer dúvida de que Deus se referia aos falsos deuses do Egito, ao pedir que o povo não praticasse idolatria, apresentamos um trecho do livro de Josué, que foi quem substitui Moises, após a sua morte:
“Agora, pois, temei o Senhor e o servi-o com inteligência e fidelidade. Afastai os deuses aos quais vossos pais serviram do outro lado do rio e no Egito, e servi ao Senhor”. (Josué 24, 14”.
E para termos mais certeza de que Deus realmente falava dos falsos deuses do Egito, vejamos o que também fala, 8, 8-9-10:

“Filho do homem, disse-me ele, fura a muralha “ quando a furei, divisei uma porta. “Aproxima-te, diz ele, e contempla as horríveis abominações a que se entregam aqui”. Fui até ali para olhar: enxerguei aí toda espécie de imagens de répteis e animais imundos e, pinturas em volta da parede, todos os ídolos da casa de Israel”.
Como podemos verificar, nessa passagem bíblica? Os sacerdotes estavam a adorar os falsos deuses em forma de répteis e animais, que Deus havia proibido que fossem adorados. Tanto é, que Deus enviou o castigo e destruiu os sacerdotes e os que praticavam aquela adoração abominável.
Por sempre fazer livre interpretação das Sagradas Escrituras, os protestantes – evangélicos – sempre cometem erros abomináveis, grotescos e perigosos, contra o Evangelho de Cristo. Errais, não compreendendo as escrituras, nem o poder de Deus”. (Mateus 22, 29).
“Porque sabei-o bem: nenhum dissoluto, ou impuro, ou avarento – verdadeiros idolatras – terá herança no Reino de Cristo e de Deus.”. (Efésios 5, 5).
Obs. Dissoluto significa: devasso, corrupto e libertino.

O VINHO

Os protestantes – evangélicos – costumam afirmar que é proibido beber vinho, e correm dele, como o diabo, da cruz. Será que eles, os protestantes, nunca leram que Jesus bebia vinho? E que o seu primeiro milagre foi transformar água em vinho? E que na Santa Ceia, Jesus Usou vinho? Não venham me dizer agora, os protestantes – evangélicos – que não sabia dessas coisas. E que, não era do seu conhecimento que o vinho do tempo de Cristo embriagava, tal qual o vinho de hoje. Pois, como eles devem saber – se realmente se deram ao trabalho de ler a bíblia: – que Noé se embriagou, que Lot foi embriagado por suas duas filhas, que queriam engravidar dele, para deixar descendência sobre a terra, que Davi se embriagou e o próprio Jesus foi chamado de beberrão. Se Jesus aprovava o vinho e o bebia, porque então tem quem o chame de PROIBIDO? Porque você está proibido de beber vinho, se Jesus o bebia e a palavra de Deus diz que é proibido proibir?
“Se em Cristo estais mortos aos princípios deste mundo, por que ainda voz deixais impor proibições, como se vivêsseis no mundo? Não pegues,! Não toqueis! Proibições estas que se tornam perniciosas pelo uso que dela se faz, e que não passam de normas e doutrinas humanas. Elas podem sem dúvida, dar a impressão de sabedoria enquanto exibem cultos voluntários, de humildade e austeridade corporal. Mas não tem nenhum valor, e só servem para satisfazer a carne”. (Colossenses 2, 20).

Jesus na Santa Ceia tomou vinho. ( I Coríntios 11, 23-26).

O primeiro milagre de Jesus foi transformar água em vinho. (João 2, 1-12).

Como pudemos ver: na época de Noé e de Jesus, como até aos dias de hoje, o vinho sempre embriagou.

“Noé, que era agricultor, plantou uma vinha. Tendo bebido vinho, embriagou-se”. (Gêneses 9, 20).

“Não continue a beber só água, mas toma também um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas freqüentes indisposições”. (I Timóteo 5, 23).
Uma recomendação bíblica que não pode ser deixada de lado, por se achar que é proibido beber vinho.

JESUS TEVE IRMÃOS?

É comum, entre os protestantes – evangélicos – afirmar que Jesus Cristo teve irmãos de sangue. Porém, Em nenhuma parte da bíblia se encontra escrito que Maria e José tiveram filhos – visto que Jesus era filho legitimo de Maria, mas, filho adotivo de José, pois fora concebido pelo Espírito Santo, pois não nasceu de homem – Em defesa da verdade e das Sagradas Escrituras, vamos mais uma vez usar a palavra de Deus, para mostrar que os apóstolos e os demais que seguiam a Jesus, jamais foram seus irmãos de sangue. Começaremos pelo apostolo Tiago, que os protestantes – evangélicos – e outros, teimam em afirmar ser irmão de sangue de Jesus:

“Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estava numa barca, consertando as redes”. (Marcos 1, 14-20).

Como pudemos ver, através dos textos bíblicos: Os apóstolos Tiago e João eram irmãos e filhos de Zebedeu. Portanto, eles jamais poderiam ser filhos de Maria e de José.

“Tu és Simão, filho de João, será chamado de Cefas (que quer dizer pedra)¨. (João 1,42)”.

Se a bíblia é clara quando afirma que os apóstolos Tiago e João têm como pai, Zebedeu e o apostolo Pedro, tem como pai, a João, se torna impossível que eles sejam irmãos de sangue de Jesus. E quem assim acredita e prega, estará contradizendo as Sagradas Escrituras, a bíblia. Mas então, porque Jesus falou que eles eram seus irmãos? Lendo Hebreus 2, 10-13, podermos descobrir o porque dele ter falado isto:

“Aquele para quem e por quem todas as coisas existem, desejando conduzir à gloria numerosos filhos, deliberou elevar à perfeição, pelo sofrimento, o autor da salvação deles, para que santificador e santificados formem um só todo. Por isso Jesus não hesita em chamá-los de irmãos, dizendo: anunciarei teu nome a meus irmãos no meio da assembléia cantarei os teus louvores”. (Salmo 21,23).

E outra vez: “Quanto a mim, ponho nela a minha confiança”. (Isaias 8,17). E: “Eis-me aqui, eu e os filhos que Deus me deu”. (Isaias 8, 18).

O ARREBATAMENTO

Os protestantes – evangélicos – costumam pregar que o arrebatamento acontecerá antes da vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, o que é um engano, mais um ensinamento protestante, que não consta das Sagradas Escrituras. Vejamos o que diz a bíblia, a respeito do arrebatamento e como e, quando ele se dará:

“Não queremos, irmãos, deixar-vos na ignorância a respeito dos mortos, para que não vos entristeçais como os outros que não têm esperança. Se, com efeito, nós cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também, aqueles que morreram, Deus, por causa deste Jesus, com Jesus os reunirá. Eis o que dizemos, segundo uma palavra do Senhor: nós os vivos, que houvermos ficado até a vinda do Senhor, não precederemos de modo nenhum os que morreram. Porque o Senhor em pessoa, ao sinal dado, à voz do arcanjo e ao toque da trombeta de Deus, descerá do céu: então os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; em seguida nós, os vivos que tivermos ficado, seremos arrebatados com eles sobre as nuvens, ao encontro do Senhor, nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, confortais-vos uns aos outros com este ensinamento.” (I Tessalonicenses 4, 13-18).

História da Salvação e da Revelação [1]

outubro 30, 2009

Meu leitor Jose Antonio, de Sao jose dos campos, me mandou um e-mail querendo saber como tratar o tema da Historia da Savacao, na preparacao para o Matrimonio. Respondo ao amigo com este texto, baseado em um dos maiores teologos, morto pouco tempo faz, o Jesuita alemao  Karl Rahner.

Joacir Soares d’Abadia[2] e Ricardo M. L. Corado Valente[3]

“A peculiaridade da mensagem cristã em seu aspecto definitivo e absoluto diante da universalidade da vontade salvífica de Deus ofertada a todos os homens requer a compreensão dos termos: história da salvação e história da revelação.

O homem é um ser histórico, um sujeito de transcendência. Somente o homem pode ser considerado um ser histórico. E a história é lugar, o evento de transcendência uma vez que nela está o homem como figura central. Deus continuamente age na historia da humanidade de um modo salvífico, ao passo que até seu ato criador já é início de sua vontade salvífica. Para Karl Rahner todo acontecimento histórico é história da salvação.

A auto-doação de Deus, a sua auto-oferta em que Deus se comunica ao homem é dada enquanto possibilidade, podendo a salvação ser acolhida ou não pelo homem. O homem faz, existe e se percebe a si mesmo na história. E tudo isso porque vive a relação de transcendente na história. O homem não é atemporal, ele é ser histórico e sujeito transcendente e ambos os aspectos são inseparáveis.

A história da salvação não se limita a um evento religioso. Onde há história coletiva e individual do gênero humano há história da salvação, uma vez que existe uma séria e operante vontade salvífica de Deus ofertada a todos os homens. Para Rahner o cristão não pode limitar a história da salvação a revelação vetero e neotestamentária. Ela é coexistente: tanto a salvação quanto a revelação. “Não há ação salvífica de Deus no homem que não seja ao mesmo tempo ação salvífica do homem” (RAHNER, 1904, p. 175). Deus não salva o homem sem a sua participação: “Deus é o Senhor soberano de seus desígnios. Mas, para a realização dos mesmos, serve-se também do concurso das criaturas. Isso não é um sinal de fraqueza, mas da grandeza e da bondade do Deus Todo-Poderoso. Pois Deus não somente dá às suas criaturas o existir, mas também a dignidade de agirem elas mesmas, de serem causas e princípios umas das outras e de assim cooperarem no cumprimento de seu desígnio” (Catecismo § 306). Ele é chamado a acolher ou recusar o plano salvífico de Deus. A salvação, diz Rahner, jamais acontece sem o envolvimento das pessoas e sem o envolvimento de suas liberdades.

A história universal do mundo significa história da salvação. Essa história da salvação é, em razão disso, história a partir de Deus. Mas quem pode encontrar a salvação? Para Rahner a pessoa que não se fecha para Deus no último ato de sua vida e liberdade por pecado livre e pessoal, pelo que seja real e subjetivamente culpada e de cuja a responsabilidade não pode equivocar-se. Essa pessoa encontra a salvação.

O homem tem a possibilidade de encontrar a Deus na história de diversos modos através da revelação natural e sobrenatural. É impossível negar isso, pois a compreensão cristã da existência opina que na prática se deve dar pôr assegurado que a vida moral inteira de uma pessoa entra no campo da atividade salvífica sobrenatural, e que a observância da lei moral natural é em si mesma salvífica, e não é só pré-condição e conseqüência extrínseca. Uma atividade salvífica sem fé é impossível, afirma Rahner, a fé sem encontro com Deus que se revela pessoalmente a si mesmo é contradição nos termos.

Há também em destaque aquelas pessoas enquanto portadoras originárias dessa comunicação reveladora de Deus. Elas são reconhecidas como profetas. São concebidas como indivíduos nos quais a auto-explicação da experiência transcendental sobrenatural e da sua história acontece em ações e palavras. O profeta não é nada mais do que o crente que logra expressar corretamente sua experiência transcendental de Deus. Está na natureza do homem que sua própria auto-explicação humana e sobrenatural venha a se efetuar na história da comunicação inter-humana. Desta forma, pode-se afirmar com veemência que o homem é sempre homem com outros homens.

É possível estruturar toda a história da revelação? Ao que responde Rahner, faz nos perceber que é impossível estruturar de maneira teológica mais precisa esse período pré-bíblico e imanente longe de genuína história de salvação e revelação.

A graça santificante e justificante constitui a elevação que diviniza o homem, da qual Deus concebe algo distinto de si, mas entrega-se a si mesmo e sustenta o ato de sua recepção. O homem é divinizado pela graça e não deificado, isto é, ele não passa a ser deus, mas é elevado a autocomunicação. Essa divinização resulta em contato com o agir salvífico de Deus.

Na história da revelação se faz um com os homens, Ele atua por meio da Palavra encarnada. A história da revelação acha seu clímax absoluto quando a autocomunicação de Deus pela união hipostática na encarnação de Deus na realidade espiritual criada de Jesus atinge seu ponto alto insuperável para ele, e, em conseqüência, para nós. E isso ocorre na encarnação do Logos, pois aí o que vem a ser expresso e comunicado – o próprio Deus – o modo de expressão, a saber, a realidade humana de Cristo em sua vida e em seu estado definitivo.

Portanto, a história da salvação é coexistente a historia da revelação. Deus quer a salvação de todos os homens. Essa vontade salvífica de Deus é manifestada sob formas diversas na história, seja no cristianismo revelado ou não. A história da salvação é a vontade salvífica ofertada a cada homem, em cada acontecimento histórico, que resulta na aceitação ou recusa de cada pessoa humana diante da autocomunicação de Deus.”

O autor:  Estudou Filosofia e cursa Teologia no SMAB. Foi finalista no concurso internacional de filosofia da Revista Antorchacultural em 2007 e 2008. Em 2007 Com a obra “Riqueza da Humanidade…” e em 2008 com a obra “Opúsculo do conhecer”. tem vários artigos publicados em Jornais tanto de Brasília como de Formosa Goiás; além de manter mensal a coluna “Filosofando” do jornal “Alô Vicentinos”.

Fonte:http://www.webartigos.com/articles/17977/1/historia-da-salvacao-e-da-revelacao/pagina1.html

Basilica de Sao Paulo Fora dos Muros

setembro 28, 2009

Eu dom Gil e o Abade 

Caro leitor, quero brindar voce com uma das coias mais bonitas que ja vi: A Basilica de Sao paulo Fora dos Muros. Aqui estao os restos mortais de Sao Paulo Apostolo. Essa Basilica se situa em Roma, fora dos muros da Roma Antiga, dai o nome.

Por ocasiao da visita de Dom Gil, aqui em Roma, no mes de junho passado, tive a alegria de visitar pessoalmente este lugar. Alias, almocei com os monges. Sao realidades da fe crista que conhecemos, que nenhuma outra Igreja crista, tem esse patrimonio, somente, nos catolicos. Quero que voce aproveite essa ocasiao, ou seja, visitar a basilica de Sao Paulo atraves da internet e fazer uma experiencia de Deus. Os Santos, sao setas que nos indicam Jesus Caminho, Verdade e Vida.

Amigo, viajando nestas imagens voce vai poder sentir como que atraves da vida de um santo, voce pode encontrar com Deus, crescer na fe… Sou muito contente de poder estar oferecendo a voce esta oportunidade de ouro: Visitar, virtualmente, a  Hasilica de Sao Paulo em Roma. Bom proveito e reze bastante com Sao paulo Apostolo.

Dá para ver detalhes… 
Utilizem o mouse (direita, esquerda, pra cima, pra baixo)… em 360º…  Além dos dois ícones embaixo (+ e -) que dão zoom nas imagens… 
  

http://www.vatican.va/various/basiliche/san_paolo/vr_tour/index-it.html

Contribuicao do meu amigo Marco carvalho.