Archive for the ‘Santos da Igreja’ Category

Como o senhor viu a festa de Santa Rita?

junho 1, 2013

Como o senhor viu a festa de Santa Rita?

Como um grande louvor a Deus. As Missas que celebramos foi o Santo Sacrifício de Cristo. Celebramos nove Missas durante a novena e nove Missas no dia de Santa Rita. Jesus disse: “Fazei isso em memória de mim!”. Celebrai a Santa Missa em memória de mim. O povo veio visitar Santa Rita, mas ouviu a palavra de Cristo. Quem se confessou foi abraçado pela misericórdia de Cristo e recebeu o perdão de Deus. Quem comungou comeu o Corpo de Cristo. Assim, Santa Rita é uma seta que aponta para o infinito. Uma seta que indica Jesus Caminho, Verdade e Vida. A Festa de Santa Rita é, na verdade, um louvor a Cristo. É Ele o centro de tudo.

Anúncios

Santa Rita de Cássia

dezembro 13, 2011

Santa Rita de Cássia  

Comemoração litúrgica: 22 de maioTambém nesta data:Santa Quitéria e São casto

     Guia geral    Por data  Incorruptos

                                         Vista de perto,  se nos revela o rosto humaníssimo de uma mulher que não passou indiferente ante a tragédia da dor e  da miséria e da miséria material, moral e  social.  Sua vida terrena poderia ser de ontem como de hoje.  

                                         Rita nasceu em 1381 em Roccaporena,  um pequeno povoado perdido nas  montanhas Seus pais, anciãos, a educaram  no temor de Deus, e ela  respeitou a tal ponto a  autoridade paterna que abandonou o propósito de entrar no convento e aceitou unir-se em matrimônio com Paulo de Ferdinando, um jovem violento e  revoltado. As biografias da  santa nos pintam um quadro familiar muito comum:  uma mulher doce, obediente, atenta a  não chocar com a  susceptibilidade do marido,  cujas maldades ela conhece e sofre e reza em silêncio.  

                                         Sua bondade logrou finalmente transformar o coração de Paulo,  que mudou de vida e de costumes, porém,  sem fazer esquecer os  antigos rancores dos  inimigos que se havia buscado. Uma noite foi encontrado morto à beira do caminho.  Os dois filhos,  já  jovens,  juraram  vingar a morte do pai. Quando Rita se  deu conta da inutilidade de  seus esforços para convencê-los de que desistissem  de seus propósitos,  teve a  valentia de pedir a Deus que os levasse,  antes que manchassem suas vidas com um homicídio.  Sua oração, humanamente incompreensível,  foi ouvida.  E sem esposo e sem filhos,  Rita foi pedir sua entrada no convento das agostinianas de Cássia.  Porém,  seu pedido foi negado.  

                                         Voltou ao  seu lugar deserto e rezou intensamente a  seus três santos protetores, São João Batista, Santo Agostinho e  São Nicolas de Tolentino,  e uma noite sucedeu o prodígio.  Se lhe apareceram  os três  santos, lhe disseram  que os seguisse,  chegaram ao convento, abriram as portas e levaram a metade do coro, onde as  religiosas estavam rezando as orações da manhã. Assim, Rita pôde vestir o hábito das agostinianas, realizando o antigo desejo de entrega total a Deus. Se dedicou à penitência, à oração e ao amor de Cristo crucificado,  que a associou ainda visivelmente a sua paixão,  cravando-lhe na fronte uma espinha.  

                                         Este estigma milagroso, recebido durante um êxtase, marcou o rosto com um dolorosíssima chaga purulenta até sua morte, isto é, durante quatorze anos. A fama de sua santidade passou os limites de Cássia. As orações de Rita obtiveram prodigiosas curas e conversões. Para ela não pediu senão carregar sobre si as  dores do próximo. Morreu no mosteiro de Cássia em 1457. Pouco antes de morrer e de firmar seu testamento verbal às Irmãs do convento,  veio visitá-la uma sua parenta; a Santa agradeceu-lhe a visita e, ao se despedir pediu:

– Vá à horta que fica perto de tua casa, por amor de Jesus, e traga-me uma rosa.

                                         Como os campos encontravam-se cobertos pela neve e a vegetação inexistente, sua parenta imaginou que a Santa delirasse,  porém,  acatou o que ela pedira e  dirigiu-se ao local certa de que nada encontraria. Chegando à horta, encontrou uma linda rosa, que a levou à enferma;  Rita novamente lhe pediu que retornasse e lhe trouxesse dois figos que, também foram encontrados na figueira.  Esses fatos explicam a representação da imagem da Santa com rosas, figos, cachos de uvas e abelhas. A Santa Igreja, para  perpetuar o milagre das rosas, aprovou a Bênção das Rosas que se realiza  no dia da festa,   ou no dia 22 de cada mês, para alívio dos enfermos.

                                         Foi beatificada em 1627, ocasião em que seu corpo foi encontrado no mesmo estado em que estava no momento de sua morte, ocorrida há mais de cento e cinqüenta anos.  Seu corpo, desde 18 de maio de 1947, repousa no Santuário, numa urna de prata e cristal fabricada em 1930. As vestes que lhe serviam de mortalha estão tão perfeitas como no dia em que a envolveram..  Atualmente, os visitantes podem sentir um doce aroma que provém de seu corpo.

                                         Recentes exames médicos  afirmaram que sobre a testa, existem traços de uma ferida óssea (osteomielite).  O pé direito apresenta sinais de uma doença sofrida nos últimos anos, talvez uma inflamação no nervo ciático. Sua altura era de 1,57 m. O rosto, as mãos e os pés estão mumificados, enquanto sob o hábito da religiosa agostiniana existe, intacto, o seu esqueleto.  

                                         A sua beatificação ocorreu no ano de 1900,  sob o pontificado do Papa Leão XIII.  

ORAÇÕES À SANTA RITA DE CÁSSIA

 

 

PELA FAMÍLIA 

Ó gloriosíssima Santa Rita, padroeira e advogada nossa, consolação das almas aflitas, modelo de esposa e mãe cristã. Vós que tivestes nesta vida um esposo terreno que purificou a Vossa virtude e agora sois esposa amantíssima de Jesus Cristo, alcançai-me de Deus a graça de conservar meu coração puro e limpo de todo pecado e levar com santa resignação a cruz do matrimônio.
Guardai, como anjo do paraíso, a religião e a piedade em minha casa e em minha família. Compadecei-vos de meu esposo e muito especialmente dos meus tenros e amados filhos. Não me abandoneis na vida e na morte para que, imitando Vossos exemplos e virtudes, possa gozar em Vossa amável companhia, da glória eterna. Amém!

SÚPLICA A SANTA RITA

Ó poderosa e gloriosa Santa Rita, eis a vossos pés uma alma desamparada que, necessitando de auxílio, a vós recorre com a doce esperança de ser atendida. Por causa da minha indignidade e de minhas infidelidades passadas, não ouso esperar que minhas preces cheguem a mover o coração de Deus e é por isto que sinto a necessidade de uma medianeira toda poderosa, e foi a vós que me dirigi, Santa Rita, com o incomparável título de “Santa das Causas Impossíveis e Desesperadas”. Ó cara Santa, interessai-vos pela minha causa, intercedei junto a Deus para que me conceda a graça de que tanto necessito e que ardentemente desejo. (fazer o pedido)
Não permitais que me afaste de vossos pés sem ser atendido. Se houver em mim algum obstáculo que me impeça de obter a graça que imploro, auxiliai-me para que o afaste; envolvei minha prece em vossos preciosos méritos e apresentai-a a vosso celeste esposo em união com a vossa. Assim, enriquecida por vós, esposa fidelíssima entre as mais fiéis, por vós que sentistes as dores da sua paixão, como poderá Deus repeli-la ou deixar de atendê-la?
Ó cara Santa Rita, que jamais diminua a confiança e esperança que em vós coloquei; fazei com que não seja vã a minha súplica; obtende-me de Deus o que peço; a todos farei, então, conhecer a bondade do vosso coração e a onipotência da vossa intercessão.
E vós, coração admirável de Jesus, que sempre vos mostrastes tão sensível às menores misérias da humanidade, deixai-vos enternecer pelas minhas necessidades e, sem olhar minha fraqueza e indignidade, concedei-me a graça que tanto desejo e que por mim e comigo vos pede vossa fiel esposa Santa Rita.
Oh! sim, pela fidelidade com que Santa Rita sempre correspondeu à graça divina, por todos esses dons com os quais quisestes cumular sua alma, por tudo quanto sofreu em sua vida de esposa, de mãe, e como participante de vossa dolorosa paixão, concedei-me esta graça que me é tão necessária.
E vós, ó Virgem Maria, como nossa boa Mãe do céu, depositária dos tesouros divinos e dispensadora de todas as graças, sustentai com vossa poderosa intercessão a de vossa grande devota Santa Rita, para me alcançar de Deus a graça desejada. Assim seja!

NOVENA DE SANTA RITA

PRIMEIRO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó gloriosa Santa Rita, protetora nos casos impossíveis, diante de vós me prostro com humildade e confiança, a fim de que intercedais em meu favor junto do trono de Deus.
Compadecei-vos das minhas dificuldades e dores por aquela consolação celestial experimentada pelos vossos piedosos pais, quando, estéreis, dada a idade avançada que tinham, mereceram conceber-vos, qual dádiva preciosa do céu. Por isso e mais por aquele milagre das abelhas de doce sussurro, que enxamearam em derredor de vossos lábios ao recém-nascer, alcançai-me com o favor que imploro, a graça de compreender o sentido sobrenatural da dor, para poder utilizá-la em bem de minha salvação.
Três Pai Nossos, Ave e Glória.

Antífona – Exultou o espírito de Rita em Deus, seu Salvador, ao receber o Espinho de Cristo, seu Esposo.
V – Assinalastes, Senhor a vossa serva Rita.
R – Com o sinal da vossa caridade e paixão.

OREMOS
Ó Deus, que vos dignastes conceder à Santa Rita tamanha graça, que havendo ela vos imitado no amor de seus inimigos, trouxesse no coração e na fronte os sinais da vossa caridade e sofrimento, concedei, nós vos suplicamos, que pela sua intercessão e merecimentos amemos os nossos inimigos e, com o espinho da compunção, perenemente contemplemos as dores da vossa paixão. Por Cristo, Nosso Senhor Amém.

SEGUNDO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó ditosa Santa Rita, advogada e consoladora dos atribulados, com grande confiança recorro à vossa intercessão a fim de que obtenhais de Deus o favor de que necessito.
Pela heróica submissão aos vossos pais e ao vosso diretor espiritual, mediante a qual sacrificastes o lírio da virginal pureza ao estado matrimonial; assim como pela dor que experimentastes ao deixar o doméstico e solitário abrigo onde tantas consolações gozastes em contínuo colóquio com Deus – oh ! por tantos motivos de sofrimento, vos rogo que me alcanceis com a graça que imploro, o desprendimento das coisas mundanas e a mais firme esperança nas divinas promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

TERCEIRO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó Santa Rita, estupendo prodígio de fortaleza: com o coração nos lábios torno a pedir-vos que intercedais por mim a Deus, a fim de que, benigno, volva o seu olhar misericordioso sobre a minha atual atribulação.
Pelos gravíssimos insultos que recebestes, durante dezesseis anos de vosso esposo colérico e impetuoso, e pela dor que padecestes, quando barbaramente o mataram; e ainda mais pelo que sofrestes com a obstinada resolução dos vossos filhos determinados a vingar a morte do pai, peço-vos que obtenhais de Deus a necessária fortaleza para que a minha vontade, sempre animosa, nunca desfaleça no meio dos sofrimentos. Amém.

QUARTO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó Santa Rita, modelo de mansidão e intercessora poderosa nos casos impossíveis, de todo o coração me dirijo, outra vez a vossa valiosa proteção, para suplicar-vos auxilio nesta minha grande necessidade.
Pela profunda humildade com que superastes as repetidas repulsas da Superiora do Convento de Cássia, até merecerdes o milagre extraordinário de ser introduzida no mosteiro, a portas fechadas, pelos santos protetores, obtende-me de Deus que resiste aos soberbos e com os humildes distribui as suas dádivas, a graça de alcançar uma verdadeira humildade que me seja fundamento de todas as virtudes. Amém.

QUINTO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.
Ó Santa Rita vítima da caridade, pelo amor divino de que ora vos inflamais no céu escutai as minhas preces e tornai-as aceitáveis ao Senhor fazendo com que, benigno, volva o olhar, não sobre a minha indignidade, mas sobre a grande necessidade que me angustia.
Por todas as lágrimas que derramastes pelos pecadores, ocasião em que se vos manifestou a eficiência da oração para afastar da terra os divinos castigos que provocamos, rogai também por min ao Senhor, para que eu me torne digno de receber, com o favor que almejo, um verdadeira zelo e um constante amor pelas almas resgatadas pelo preciosíssimo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Amém.

SEXTO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó Santa Rita, perfeito modelo de obediência, favorecida com o dom dos milagres para serdes invocada nas extremas necessidades da vida pelos filhos da dor, – por amor da exatíssima obediência com que durante um ano inteiro regastes um lenho seco, de que milagrosamente brotou robustíssima videira, e bem assim pelos muitos milagres que Deus operou para premiar a vossa submissão às ordens dos vossos superiores – ó minha doce advogada, alcançai-me de Deus que eu submeta sempre a minha vontade ao seu divino querer, repetindo com a mente e o coração as palavras de Nosso Senhor “- Não a minha, mas a vossa vontade se faça!” Amém.

SÉTIMO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó Santa Rita, verdadeira mártir do Redentor, novamente vos imploro e não cessarei de fazê-lo até que me tenhais alcançado do vosso Divino Esposo a graça que tanto almejo.
Pelo dulcíssimo êxtase e pela acerba dor que sofrestes, quando em penhor de afeto o celeste Esposo vos transpassou a fronte com um dos espinhos de sua coroa alcançai-me do divino Redentor a graça que venho pedindo, e a de meditar frutuosamente a sua amarga paixão. Amém.

OITAVO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó afortunadíssima Santa Rita, que tão privilegiada fostes na terra, com grande amor e confiança venho rogar-vos que me tornei propício o Senhor Deus, concedendo-me a graça que imploro.
Pelos suavíssimos colóquios que de continuamente gozastes com Jesus e Maria, e pela vossa freqüente familiaridade com os bem-aventurados Anjos. Oh! alcançai-me de Jesus e Maria, a quem tanto amastes na terra, a graça que espero, e especialmente a de vê-los benignos nesta vida e favoráveis no momento da minha morte. Amém.

NONO DIA
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Ó querida Santa Rita, angustiado pela desventura, a vós me recomendo para que me não abandoneis junto do trono do Altíssimo, nesta tribulação demasiado amarga.
Eu vo-lo peço ditoso momento em que a vossa alma se apresentou perante o divino Juiz, rica de méritos, rica de virtudes; pelo inefável convite de aditar-vos na beatífica eternidade; pelos numerosos prodígios operados por Deus, mediante a vossa intercessão; assim pelo fausto anúncio do sino do mosteiro, o qual tangido por mãos angélicas, durante horas soou, magnificando o vosso ingresso triunfal no céu.
Ó minha querida advogada e doce protetora, em vós, depois de Deus, ponho o meu refúgio na minha atual necessidade. Com a encomenda da vida passada, alcançai-me o perdão de todos os meus pecados, para que me seja dado encontrar-me convosco um ma no céu. Amém.

ORAÇÃO PARA O DIA DO ENCERRAMENTO
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Angustiado e com a alma oprimida por graves infortúnios, apresento-me perante a vossa santa imagem, ó minha advogada, Santa Rita, para que não cesseis de interceder por mim.
Agora, que sois ditosa na fruição do Sumo Bem, orai por mim, para que Deus se digne de conceder-me a graça que infatigavelmente solicito, a fim de poder repetir com alegria e em verdade que sois de fato a “Advogada dos casos desesperados e impossíveis.” Amém.

Santa Luzia protetora dos males contra olhos

dezembro 13, 2011
Santa Luzia
Protetora dos olhos e da visão

Santa Luzia pertencia a uma rica família de Siracusa, na Itália, tendo recebido ótima formação cristã, ao ponto de Luzia ter feito um voto de viver virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe a queria casada com um jovem de distinta família, porém pagão.

Nessa ocasião, sua mãe adoece gravemente e Luzia, que era devota de Santa Águeda, leva sua mãe à tumba da santa. Milagrosamente, sua mãe recupera a saúde e acaba concordando que a filha seguisse a vida que escolhera, consentindo também, que distribuísse seu rico dote entre os pobres.

O noivo rejeitado vingou-se, entregando Luzia como cristã ao procônsul. Este ameaçou Luzia de colocá-la no prostíbulo e sua resposta foi: “O corpo se contamina se a alma consente”. Assim sendo, dezenas de soldados tentaram carregá-la, mas o corpo de Luzia pesava muito, nada conseguindo. Contam que enquanto estava presa, arrancaram-lhe os olhos, mas no dia seguinte estavam novamente perfeitos. Por este milagre é que ela é venerada como protetora dos olhos.

Santa Luzia, não querendo oferecer sacrifício ao deuses e nem quebrar o seu santo voto, foi decapitada em 303, para assim testemunhar com a vida – ou morte – o que disse: “Adoro a um só Deus verdadeiro, e a ele prometi amor e fidelidade”.

Oração à Santa Luzia

Ó, Santa Luzia, que preferistes deixar que os vossos olhos fossem vazados e arrancados antes de negar a fé e conspurcar vossa alma; e Deus, com um milagre extraordinário, vos devolveu outros dois olhos sãos e perfeitos para recompensar vossa virtude e vossa fé, e vos constituiu protetora contra as doenças dos olhos, eu recorro a vós para que protejais minhas vistas e cureis a doença dos meus olhos.
Ó, Santa Luzia, conservai a luz dos meus olhos para que eu possa ver as belezas da criação. Conservai também os olhos de minha alma, a fé, pela qual posso conhecer o meu Deus, compreender os seus ensinamentos, reconhecer o seu amor para comigo e nunca errar o caminho que me conduzirá onde vós, Santa Luzia, vos encontrais, em companhia dos anjos e santuário.
Santa Luzia, protegei meus olhos e conservai minha fé. Amém.

Hino Oficial da Padroeira de Santa Luzia

Ó Virgem Santa Luzia, nossa querida padroeira, lá no céu onde estás és a nossa Medianeira.

A tua vida é para nós modelo
nós queremos seguir o teu exemplo
por tua virtude e grande amor
a Ti nós dedicamos este templo.

Olha pra nós os filhos teus
Ó Virgem Mártir que nos dás a luz
Santa Luzia, Virgem Piedosa
manda-nos sempre as bênçãos de Jesus.

Tua candura puro emblema de fé
Virgem querida dá-nos tua proteção
és nosso guia, nossa vida e esperança
a ti ó Mártir, uma eterna devoção.

Fontes: Santos da Igreja Católica

A Santa dos casos impossíveis

maio 25, 2011

No final de semana passado celebramos o dia de Santa Rita de Cássia – a Santa dos casos impossíveis. Mas, por que santa Rita é considerada a Santa dos casos impossíveis? Esta pergunta tem uma resposta muito interessante. È que, ainda em vida, Santa Rita já fazia milagres. Relatos da cidade italiana de Cássia contam que muitas pessoas acorriam ao mosteiro das monjas agostinianas para receberem a bênção de irmã Rita e eram curadas.

            Alguns fatos chamam a nossa atenção: o primeiro deles é que Santa Rita, nos últimos quatro anos de vida, alimentou-se somente da Sagrada Eucaristia. Não comia mais nada. Somente o Pão eucarístico lhe sustentava. Isso faz-nos lembrar da Lola da nossa vizinha cidade de Rio Pomba. Lola viveu a maior parte de sua vida alimentando somente da Hóstia Consagrada. Milagre Eucarístico! Aliás, não é motivo de espanto, antes, é o cumprimento da promessa de Jesus: Eu sou o Pão que desceu do céu e, quem como deste pão não terá fome ou sede. È legal dizer isso, também, porque é na arena da Igreja Católica que isso acontece. Não se tem notícias de que em outras religiões isso acontece. Somente na Igreja católica. O que pode parecer impossível para as outras religiões, para o catolicismo é real. Acontece.

            Há um diferencial em ser católico: somos uma nação de Santos e de Santas. Isso não é a fala d um padre, mas do primeiro Papa – São Pedro: Vós, porém, sois uma raça escolhida, um sacerdócio régio, uma nação santa, um povo adquirido para Deus, a fim de que publiqueis as virtudes daquele que das trevas vos chamou à sua luz maravilhosa. (Cf. 1º São Pedro 2, 9). È assim que Deus nos vê, a nossa religião! Somos, pelo nosso batismo, desde criancinhas Sacerdotes, Profetas e Reis. Confio plenamente que somos, enquanto católicos, uma nação santa, um povo consagrado, desde criança, quando recebemos o nosso batismo.

            Outro fato importante na vida de Santa Rita é que, poucos dias antes de sua morte, ela pediu à sua prima uma rosa. Mas encontrar uma rosa, naquela época do ano, era impossível. O tempo estava muito frio e o gelo da neve matava as rosas. Sua prima, apesar de crer que irmã Rita estivesse variando, pois pedir uma rosa naquela estação do ano parecia absurdo, foi conferir no jardim se havia qualquer rosa. Entretanto, para sua surpresa, quando chegou ao jardim, encontrou uma linda rosa no meio da gelo. Contrariando todas as possibilidades climáticas a rosa estava lá sinalizando a santidade de Santa Rita. Então, muito espantada, mas com o coração radiante, sua prima ofereceu-lhe a rosa “impossível”. Porém, o mais belo estava por vir, mas isto contarei na próxima semana.

Com a intercessão de Santa Rita e minhas bênçãos sacerdotais,

Pe. Camilo

Festa dos Arcanjos: Gabriel, Miguel e Rafael

setembro 29, 2010

Dia 29 de Setembro

(quarta-feira, 2010)

Hoje, a Igreja celebra

a Festa dos Arcanjos:

S. Gabriel, S. Miguel e S. Rafael

São Gabriel Arcanjo

“Gabriel” – que significa “Deus é forte”, ou “aquele que está na presença de Deus” – aparece no assim chamado Evangelho da Infância, como Mensageiro da Boa Nova do Reino de Deus, que já está presente na pessoa de Jesus de Nazaré, nascido de Maria.

É ele quem anuncia o nascimento de João Baptista e de Jesus Cristo.

Anuncia, portanto, o surgimento de uma “nova era”, um tempo de esperança e de salvação para todos os Homens.

É ele quem, pela primeira vez, profere aquelas palavras que todas as gerações hão-de repetir para saudar e louvar a Virgem de Nazaré: «Avé, cheia de Graça. O Senhor é convosco!».

São Miguel Arcanjo

“Miguel” – que significa “Quem como Deus?” -, é o defensor do Povo de Deus no tempo de angústia.

É o padroeiro da Igreja Universal, e é aquele que acompanha as Almas dos mortos até o Céu.

Arcanjo São Rafael

“Rafael”- que quer dizer “medicina de Deus”, ou “Deus cura” – foi o companheiro de viagem de Tobias.

É o Anjo benfazejo, que acompanha o jovem Tobias desde Nínive até à Média; e que o defende dos perigos e patrocina o seu casamento com Sara.

É ele quem tira da cegueira o velho Tobias.

É aquele que cura, que expulsa os demónios.

São Rafael é o companheiro de viagem do Homem, seu guia e seu protector nas adversidades.

Quem é (foi) São Lucas?

setembro 13, 2010

São Lucas escreveu dois livros da bíblia: o terceiro Evangelho que leva seu nome: Evangelho segundo Lucas e o livro dos Atos dos Apóstolos.

Segundo críticos, o Evangelho de São Lucas foi escrito por volta dos anos 80 ou 90. Ele conta o anúncio do Arcanjo São Gabriel a Maria, o nascimento e a infância de Jesus, bem como, sua vida adulta seus ensinamentos e milagres, a instituição da Eucaristia (a Santa Missa), morte e Ressurreição.

Já o Livro dos Atos dos Apóstolos foi escrito, provavelmente, a redor dos anos 80 depois de cristo. O livro dos Atos, narra, como o próprio nome diz, a ação dos Apóstolos, a partir do derramamento do Espírito Santo sobre eles no dia de Pentecostes. É o livro que conta o nascimento da Igreja, a eleição de São Matias, o concilio de Jerusalém, a conversão de São Paulo.

Portanto, primeiro São Lucas teria escrito o Evangelho (o nascimento, morte e Ressurreição de Jesus), e depois o livro dos Atos (o surgimento da igreja Católica).

O destinatário desta obra é : Teófilo! Este nome significa tanto uma pessoa, quanto um público mais vasto. Theo+filos significa em grego “amigo de Deus”. Portanto, são todos aqueles que são amigos de Deus, como eu e você.

Padre Antonio Vieira, grande pregador barroco dizia que: “Lucas evangelista, foi pintor, foi médico. Admirável, quando com três dedos tomava a pena como evangelista; admirável quando com três dedos tomava o pincel como pintor; admirável quando com três dedos tomava o pulso como médico.” (Pe. Antônio Vieira – Sermão do Evangelista São Lucas). Daí a Igreja confiar a São Lucas a proteção dos médicos e artistas plásticos.

Parabens aos que chamam Jorge

abril 14, 2010
Um dos santos mais venerados pela Igreja Católica, São Jorge conta com milhões de devotos pelo mundo todo. No dia 23 de abril, dia do Santo Guerreiro, os festejos acontecem em todo o Brasil, principalmente no Rio de Janeiro.

Nesse ano, as homenagens ao mártir começam às 5h com uma alvorada, seguida de missa na Igreja de São Gonçalo e São Jorge, na Rua da Alfândega, 382, no Centro. Às 8h, uma carreata com a imagem de São Jorge sai em direção a Igreja de Quintino, na Rua Clarimundo de Melo, 769. Às 10h haverá uma Missa Solene. Às 14h começa a homenagem ao santo, em frente à Igreja da Ressurreição, na Rua Francisco Otaviano. Às 3h haverá mais uma Missa Solene, dessa vez no Forte de Copacabana. Logo depois começa a procissão motorizada. Mil motociclistas vão sair em direção à igreja de São Jorge, no Centro. Às 5h 30m, o arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta vai participar de vários eventos em Santa Cruz, no Largo do Bodegão, 435, entre eles uma Cavalgada em homenagem a São Jorge.

História

Nascido na antiga Capadócia, que atualmente faz parte da Turquia, São Jorge era filho de pais católicos. Mudou-se para Palestina quando ainda era criança, logo após o seu pai morrer em uma batalha. A cidade Natal de sua mãe era Lida, também na Palestina.

Na adolescência, Jorge resolveu tornar-se militar e rapidamente foi promovido a capitão do exército romano por sua habilidade e dedicação. Mais tarde, o imperador iria lhe conferir o titulo de conde. Aos 23 anos Jorge passou a residir na corte imperial de Roma, exercendo altas funções.

Já nessa época o imperador Diocleciano tinha planos de matar todos os cristãos. No dia em que o senado iria confirmar o decreto imperial, Jorge levantou-se e afirmou que os ídolos adorados nos templos pagãos eram falsos deuses. Diante do espanto de todos com a declaração, Jorge foi indagado sobre sua ousadia e afirmou ser por causa da verdade. O  cônsul, não satisfeito, quis saber, então o que é a verdade. Jorge respondeu: “A verdade é meu Senhor Jesus Cristo, a quem vós perseguis, e eu sou servo de meu redentor Jesus Cristo, e nele confiado me pus no meio de vós para dar testemunho da verdade”.

Como São Jorge era fiel a Jesus, o Imperador o torturava tentando fazê-lo desistir da fé que tinha. Vendo que a fidelidade de Jorge pelo Senhor não diminuía, Diocleciano mandou degolá-lo no dia 23 de abril de 303.

São Jorge e o dragão

A imagem de São Jorge lutando contra um dragão foi amplamente difundida desde a idade média e tem origem em uma lenda criada sobre o mártir. A história é contada de várias maneiras. Diz a lenda que um terrível dragão saia as vezes das profundezas de um lago e se atirava contra os muros da cidade, matando pessoas com seu hálito mortífero.

Para afastar o monstro, a população do lugar oferecia jovens vitimas, que eram escolhidas por sorteio. Um dia coube a filha do Rei ser oferecida como comida ao dragão. O Monarca, que nada poderia fazer, acompanhou-a com lágrimas até as margens do lago. A princesa parecia destinada a morte, quando de repente apareceu um corajoso cavalheiro vindo de Capodócia. Era São Jorge.

O Guerreiro desembainhou a espada e venceu o dragão. Jorge assegurou a todos que tinha vindo, em nome de cristo, lutar contra o mostro e que eles deveriam converter-se e serem batizados.

Fonte: Arquidiocese do Rio de Janeiro

Reflexão do Dia: Santa Luzia

dezembro 13, 2009

A devoção a Santa Luzia data do início da Igreja. Luzia era uma moça muito linda! Causava fascínio em todos os homens de seu tempo. Loira de cabelos longos, olhos azuis, bela estatura, dócil e inteligente, ela causava muito frisson. Porém queria consagrar a Deus toda sua beleza, elegância e fineza. Muita gente dizia: “mas que absurdo uma moça bonita dessa querer consagra-se a Deus”! Os rapazes diziam “ mas que desperdício, esta querer se doar toda para Cristo”! O mais dramático aconteceu com relação a seu mãe que disse: “Não! Você vai consagrar a Deus coisa nenhuma! Você vai se casar, e tem mais,  com quem eu determinar”. Infelizmente sua mãe tratou seu casamento com um moço muito rico. Mas Luzia não aceitou aquela sorte e começou a rezar, rezar, rezar…

Moça de fé e que aspirava as coisas mais nobres e eternas da vida, Santa Luzia conhecia toda a historia da Igreja. Conhecia uma outra moça que se tornou mártir por amar a Deus. Estou falando de Santa Aguida. Santa Luzia era muito devota de Santa Aguida. Visitava seu túmulo. Alguns zombavam da fé da jovem, em um desrespeito alucinante.

Um dia o medico constatou que a mãe de Santa Luzia tinha um câncer e poderia morrer muito rapidamente. Nestes momentos os mandões se tornam sensíveis ao apelo de Deus. Para nós crentes, nosso Deus, é o Deus do impossível. Santa Luzia era católica, crente. Então fez a proposta: Bem, mãe esta terrivelmente doente. Aos olhos dos médicos não há cura. Mas para mim que sou católica, crente, sincera e que acredito em milagres, na intercessão dos Santos, minha mãe poderá ser cura. Então farei uma proposta: se eu levar minha mãe enferma ao túmulo de Santa Aguida e Santa Aguida interceder a Deus e minha mãe ficar cura, poderei me consagra a Deus? O pai então respondeu: Sim! Se sua mãe ficar curada? Então Santa Luzia levou a mãe ao túmulo de Santa Aguida e lá rezaram muito. De volta a casa o medico constatou a cura da mãe de Santa Luzia. Então ela se consagrou a Deus. Para resumir, o cara ao qual Santa Luzia tinha sido prometida em casamento não aceitou a ideia e começou a criar caso. Dizia que não viveria sem aqueles lindos olhos azuis. Esse Cônsul a denunciou ao Imperador Romano que era ante Cristão, que a mandou para cadeia. Ali arrancaram os olhos dela e os colocaram em um prato. Conta-se que no dia seguinte os olhos eram regenerados. Daí nasce a devoção de que Santa Luzia é a protectora contra todas as doenças das vistas.

Seu corpo se conserva intacto em uma urna de vidro em uma Igreja na cidade de Veneza Itália. Fui ali pessoalmente. Rezei, pedi suas bênçãos e fiz esta foto.

Conheça a história da santa protetora dos olhos

dezembro 13, 2009

Santa Luzia (ou Santa Lúcia), cujo nome deriva do latim, é muito amada e invocada como a protetora dos olhos, janela da alma, canal de luz.

Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, ao ponto de Luzia ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe queria vê-la casada com um jovem de distinta família, porém pagão. Ao pedir um tempo para o discernimento foi para uma romaria ao túmulo da mártir Santa Ágeda, de onde voltou com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimento por que passaria, como Santa Ágeda.

Vendeu tudo, deu aos pobres e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Santa Luzia, não querendo oferecer sacrifício ao deuses e nem quebrar o seu santo voto, teve que enfrentar as autoridades perseguidoras e até a decapitação em 303, para assim testemunhar com a vida, ou morte o que disse: “Adoro a um só Deus verdadeiro, e a ele prometi amor e fidelidade”.

Somente em 1894 o martírio da jovem Luzia, também chamada Lúcia, foi devidamente confirmado, quando se descobriu uma inscrição escrita em grego antigo sobre o seu sepulcro, em Siracusa, Ilha da Sicília. A inscrição trazia o nome da mártir e confirmava a tradição oral cristã sobre sua morte no início do século IV.

Mas a devoção à santa, cujo próprio nome está ligado à visão (“Luzia” deriva de “luz”), já era exaltada desde o século V. Além disso, o papa Gregório Magno, passado mais um século, a incluiu com todo respeito para ser citada no cânone da missa. Os milagres atribuídos à sua intercessão a transformaram numa das santas auxiliadoras da população, que a invocam, principalmente, nas orações para obter cura nas doenças dos olhos ou da cegueira.

Diz a antiga tradição oral que essa proteção, pedida a santa Luzia, se deve ao fato de que ela teria arrancado os próprios olhos, entregando-os ao carrasco, preferindo isso a renegar a fé em Cristo. A arte perpetuou seu ato extremo de fidelidade cristã através da pintura e da literatura. Foi enaltecida pelo magnífico escritor Dante Alighieri, na obra “A Divina Comédia”, que atribuiu a santa Luzia a função da graça iluminadora. Assim, essa tradição se espalhou através dos séculos, ganhando o mundo inteiro, permanecendo até hoje.

Luzia pertencia a uma rica família de Siracusa. Sua mãe, Eutíquia, ao ficar viúva, prometeu dar a filha como esposa a um jovem da Corte local. Mas a moça havia feito voto de virgindade eterna e pediu que o matrimônio fosse adiado. Isso aconteceu porque uma terrível doença acometeu sua mãe. Luzia, então, conseguiu convencer Eutíquia a segui-la em peregrinação até o túmulo de santa Águeda ou Ágata. A mulher voltou curada da viagem e permitiu que a filha mantivesse sua castidade. Além disso, também consentiu que dividisse seu dote milionário com os pobres, como era seu desejo.

Entretanto quem não se conformou foi o ex-noivo. Cancelado o casamento, foi denunciar Luzia como cristã ao governador romano. Era o período da perseguição religiosa imposta pelo cruel imperador Diocleciano; assim, a jovem foi levada a julgamento. Como dava extrema importância à virgindade, o governante mandou que a carregassem à força a um prostíbulo, para servir à prostituição. Conta a tradição que, embora Luzia não movesse um dedo, nem dez homens juntos conseguiram levantá-la do chão. Foi, então, condenada a morrer ali mesmo. Os carrascos jogaram sobre seu corpo resina e azeite ferventes, mas ela continuava viva. Somente um golpe de espada em sua garganta conseguiu tirar-lhe a vida. Era o ano 304.

Para proteger as relíquias de santa Luzia dos invasores árabes muçulmanos, em 1039, um general bizantino as enviou para Constantinopla, atual território da Turquia. Elas voltaram ao Ocidente por obra de um rico veneziano, seu devoto, que pagou aos soldados da cruzada de 1204 para trazerem sua urna funerária. Santa Luzia é celebrada no dia 13 de dezembro e seu corpo está guardado na Catedral de Veneza, embora algumas pequenas relíquias tenham seguido para a igreja de Siracusa, que a venera no mês de maio também.

Sao Judas Tadeu patrono do Flamengo

outubro 28, 2009

s%C3%A3o+judas+tadeu

Quero abracar a torcida do Flamengo e homenagear Sao Judas o Santo das causas impossiveis. Veja o que deu nos jornais hoje:

“Dia do flamenguista” é comemorado com anseio pelo título

Esta quarta-feira é dia de esperança para o Flamengo. No Dia do Torcedor Flamenguista (sancionado pelo então prefeito carioca César Maia em 2007), a massa rubro-negra se anima como o crescente momento do time e passa a sonhar com o título do Campeonato Brasileiro. Às 21h50, a equipe entra em campo para pegar o Barueri, na Grande São Paulo, tentando manter as expectativas e a série de 10 jogos sem derrota.

Não por acaso, a data marca também o Dia de São Judas Tadeu, padroeiro do clube da Gávea. Assim, centenas de rubro-negros compareceram à Igreja de São Judas Tadeu, na Zona Sul do Rio de Janeiro, para fazer preces pela equipe. Em uma das celebrações, realizada às 10 horas, o presidente Márcio Braga marcou presença.

A confiança do torcedor flamenguista tem explicação: o time vem de três importantes vitória, sobre o São Paulo, o líder Palmeiras e no clássico com o Botafogo. Sem perder há 10 rodadas, sequer está no G-4 do Brasileirão – ocupa a 5ª colocação, com 52 pontos -, mas pode até mesmo assumir a liderança caso vença o Barueri e conte com combinação de resultados.

Fonte: gazeta do Esporte

Paulistas farão procissão no Dia de São Judas Tadeu

Varios jornais notificaram a festa de Sao Judas Tadeu. O Jornal O GLOBO disse : “Nesta quarta-feira, é o Dia de São Judas Tadeu, conhecido também como “o santo das causas impossíveis”. Na Paróquia de São Judas Tadeu, no Jabaquara, zona sul da capital paulista, haverá procissão, a partir das 18h30m. Os devotos começaram a chegar às 5h, para a primeira missa. Na igreja nova do Jabaquara, haverá missas até às 16h. Às 11h, 13h, 15h e 20h as celebrações serão feitas num palco montado na Avenida Jabaquara.

Na igreja antiga, construída em 1944, devotos fizeram fila nesta manhã para agradecer aos pedidos atendidos. São Judas Tadeu foi primo de Jesus e um dos apóstolos. São Judas morreu por causa de Jesus Cristo e pelo Evangelho”.

Oracao a Sao Judas Tadeu

São Judas Tadeu, apóstolo escolhido por Cristo,
eu vos saúdo e louvo pela fidelidade
e amor com que cumpristes vossa missão.
Chamado e enviado por Jesus,
sois uma das doze colunas que sustentam a verdadeira Igreja
fundada por Cristo.
Inúmeras pessoas, imitando vosso exemplo e auxiliadas por vossa oração,
encontram o caminho para o Pai,
abrem o coração aos irmãos e descobrem forças
para vencer o pecado e superar todo o mal.
Quero imitar-vos, comprometendo-me com Cristo e com sua Igreja,
por uma decidida conversão a Deus e ao próximo,
especialmente o mais pobre.
E, assim convertido, assumirei a missão de viver e anunciar o Evangelho,
como membro ativo de minha comunidade.
Espero, então, alcançar de Deus a graça…
que imploro confiando na vossa poderosa intercessão.

São Judas Tadeu Rogai por nós!

Amém!