Archive for the ‘A Biblia e Nossa Senhora’ Category

Reflexão do Dia: Um testemunho verdadeiro

junho 29, 2011

Havia uma senhora muito simples, que vendia verduras na vizinhança. Certo dia, Tia Teca, conhecida por toda a vizinhança, foi vender suas verduras na casa de um senhor e lá perdeu o seu Terço. Passados alguns dias, tia Teca voltou àquela casa, e este senhor veio logo zombar dela dizendo: – Você perdeu o seu Deus? Ela respondeu: – Eu? Perder o meu Deus? Nunca. Então ele pegou o Terço e disse: – Não é este o seu Deus? – Graças a Deus, o senhor encontrou o meu Terço. Muito obrigada. – Por que a senhora não troca este cordão com essas sementinhas pela Bíblia? – perguntou ele. E ela humildemente respondeu: – Porque a Bíblia eu não sei ler, não senhor, e, com e Terço, eu medito toda a palavra de Deus e a guardo no meu coração. – Medita a palavra de Deus? Como assim? Poderia me dizer? – Posso sim – respondeu Tia Teca pegando o Terço e disse: – Quando eu pego na cruz, lembro-me que o filho de Deus derramou o Seu Sangue, pregado numa cruz, para salvar a humanidade. Essa primeira conta grossa me lembra que há um só Deus onipotente. Essas três contas pequenas me lembram as três pessoas da Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Esta conta grossa me faz lembrar a oração que o Senhor mesmo nos ensinou, que é o Pai-nosso. O Terço tem cinco mistérios, que me fazem lembrar as cinco chagas do Nosso Senhor Jesus Cristo, cravado na cruz. E cada Mistério tem dez Ave-Maria, que me fazem lembrar os dez mandamentos, que o Senhor mesmo escreveu nas Tábuas de Moisés. O Rosário de Nossa Senhora tem quinze Mistérios, que são: cinco Gozosos, cinco Dolorosos e cinco Gloriosos. De manhã, quando me levanto para iniciar minha luta do dia-a-dia, eu rezo os Mistérios Gozosos, lembrando-me do humilde lar de Maria em Nazaré. Ao meio dia, no meu cansaço e fadiga do trabalho, eu rezo os Mistérios Dolorosos, que me fazem lembrar a dura caminhada de Jesus Cristo para o Calvário. Quando chega o final do dia, com as lutas vencidas, eu rezo os Mistérios Gloriosos, que me fazem lembrar que Jesus venceu a morte para dar a Salvação a toda humanidade. E agora, diga-me: onde está a idolatria? Ele, depois de ouvir tudo isso, disse: – EU NÃO SABIA DISSO. ENSINA-ME, TIA TECA, A REZAR O TERÇO!”

Anúncios

O terço na Biblia

setembro 28, 2010
Outubro – Mês do Rosário

Por Gilda Carvalho

A experiência de recitar o Rosário é uma das formas mais antigas da devoção popular à Maria.

Rezar o Rosário, individual ou conjuntamente, não é, porém, apenas uma simples recitação de uma série de orações.  É muito mais:  é, com Maria, percorrer a história da salvação através dos mistérios da vida de Jesus Cristo.

Contemplar os mistérios da vida de Jesus, é um convite a revivermos, internamente, cada momento que nos é proposto.  É relembrar, com a memória, a história; é olhar, com a imaginação, a cena que se passa; é entender, com o sentimento, o chamado que Deus nos faz através daquela reflexão.

No Rosário são rezadas as seguintes orações:

A meditação do Rosário começa com o Sinal da Cruz, evocação da Santíssima Trindade, princípio e fim de nossa fé.

Em seguida, o Credo que nos convida a meditar sobre os principais artigos de nossa fé.

Antes de iniciar os mistérios, temos um conjunto de quatro orações iniciais – um Pai Nosso e três Ave Maria que é um momento de petição e oferecimento da oração do Rosário que está sendo iniciada.

O Rosário é composto por  mistérios, organizados conforme a maneira que se propõe a reflexão sobre a história da Salvação.  Assim é que teremos cinco mistérios gozosos (ou da alegria),  cinco dolorosos, cinco gloriosos e, mais recentemente, os cinco mistérios luminosos.

Cada mistério é iniciado por um Pai Nosso seguido pela recitação de 10 Ave Maria  e finalizado com um Glória ao Pai.

Após a meditação dos mistérios, finaliza-se o Rosário com a recitação da Salve Rainha, em louvor à Maria pelas graças concedidas com a oração que termina.

O TERÇO

O Terço é uma forma abreviada de se rezar o Rosário.  Como o próprio nome diz, o Terço refere-se à terça parte do Rosário, ou seja, a meditação diária de apenas cinco dos conjuntos de mistérios propostos.  Tradicionalmente, a meditação dos mistérios é realizada conforme os dias da semana, ou seja, para cada dia é proposto um conjunto de mistérios diferente.

A recitação do Terço é bastante comum na oração individual e comunitária.  Famílias, grupos de oração e pastorais costumam reunir-se para rezar o Terço, marcando momentos de celebração e reflexão, sobretudo no mês de Maio, dedicado à Maria.

MEDITAÇÃO DOS MISTÉRIOS

Roteiro para percorrer os mistérios da história da Salvação, com sugestões de leituras bíblicas que poderão auxiliá-lo na contemplação proposta por cada um.

A carta apostólica Rosarium Virginis Mariae, recentemente publicada, faz uma alusão à distribuição dos mistérios pelos dias da semana, assemelhando-a ao tempo litúrgico de uma forma bastante interessante.  Diz o Papa João Paulo: “A distribuição pela semana acaba por dar às sucessivas jornadas desta, uma certa cor espiritual, de modo análogo ao que faz a Liturgia com as várias fases do ano litúrgico.”

Mistérios Gozosos ou da Alegria – Rezados às segundas e sábados
Primeiro Mistério:
Contemplação do anúncio do anjo Gabriel à Maria
Leitura Bíblica: Lc 1, 26-39
Segundo Mistério: Contemplação da visita de Maria à sua prima Isabel
Leitura Bíblica: Lc 1, 39-45
Terceiro Mistério: Contemplação do Nascimento de Jesus
Leitura Bíblica: Lc 2, 1-15
Quarto Mistério: Contemplação da apresentação de Jesus no Templo
Leitura Bíblica: Lc 2, 22-39
Quinto Mistério: Contemplação da perda e do encontro de Jesus no Templo
Leitura Bíblica: Lc 2, 41-52

Mistérios Dolorosos – Rezados às Terças e Sextas-Feiras
Primeiro Mistério
:
Contemplação da agonia de Jesus no Horto das Oliveiras
Leitura Bíblica:  Mc 14, 32-43
Segundo Mistério: Contemplação da flagelação de Jesus
Leitura Bíblica: Mt 27, 22-26
Terceiro Mistério: Contemplação da coroação de espinhos de Jesus
Leitura Bíblica: Mt 27, 27-32
Quarto Mistério: Contemplação de Jesus carregando sua cruz para ser crucificado
Leitura Bíblica: Lc 23, 20-32
Quinto Mistério: Contemplação da crucificação e morte de Jesus
Leitura Bíblica: Lc 23, 33-49

Mistérios Gloriosos – Rezados às quartas-feiras e aos domigos
Primeiro Mistério:
Contemplação da ressurreição de Jesus
Leitura Bíblica: Mt 28, 1-15
Segundo Mistério: Contemplação da ascensão de Jesus aos céus
Leitura Bíblica: At 1, 4-11
Terceiro Mistério: Contemplação da descida do Espírito Santo sobre N. Senhora e os Apóstolos no Cenáculo
Leitura Bíblica: At 2, 1-14
Quarto Mistério: Contemplação da Assunção de Nossa Senhora
Leitura Bíblica: 1Cor 15, 20-23; 53-55
Quinto Mistério: Contemplação da coroação de Maria como Rainha do Céu e da Terra
Leitura Bíblica: Ap 12, 1-6

Mistérios da Luz – Rezados às quintas-feiras
Primeiro Mistério:
Contemplação do Batismo de Jesus
Leitura Bíblica: Mc 1, 9-15
Segundo Mistério: Contemplação do primeiro milagre de Jesus: as bodas de Caná
Leitura Bíblica: Jo 2, 1-11
Terceiro Mistério: Contemplação do anúncio do Reino de Deus e do convite à conversão
Leitura Bíblica: Mc 1, 15
Quarto Mistério: Contemplação da Transfiguração de Jesus
Leitura Bíblica: Lc 9, 28-36
Quinto Mistério: Contemplação da Instituição da Eucaristia
Leitura Bíblica: Mc 14, 12-25

Nossa senhora de Nazare abençoai-me

setembro 7, 2010

Nossa Senhora de Nazaré Rogai por nós!

Amanhã, na cidade de nazareno, interior da Minas Gerais, se celebra o dia da padroeira, Nossa senhora de Nazaré. É um dia de muita comoção porque chegam romeiros de todos os cantos. Este ano eu estarei lá! Tenho muita fé na mãe de Jesus.

Oito de setembro se celebra o aniversario de Nossa senhora. No calendário da Igreja se fala festa da Natividade de Maria – a Mãe de Jesus e da Igreja. Quero brindar o internauta, com este belíssimo canto de Nossa Senhora:

Está no Evangelho de São Lucas 1, 46-56

46. E Maria disse: Minha alma glorifica ao Senhor,

47. meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador,

48. porque olhou para sua pobre serva. Por isto, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações,

49. porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo.

50. Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem.

51. Manifestou o poder do seu braço: desconcertou os corações dos soberbos.

52. Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes.

53. Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias os ricos.

54. Acolheu a Israel, seu servo, lembrado da sua misericórdia,

55. conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre.

56. Maria ficou com Isabel cerca de três meses. Depois voltou para casa.

Amem!

Reflexao do Dia: Como rezar o Terco

junho 9, 2010

Entendendo o Rosário
A etapa mais importante já aprendemos. Agora que sabemos como rezar o terço, entender o Rosário será mais fácil. Um Rosário completo é formado por quatro terços, onde cada terço representa, distintamente a contemplação dos seguintes mistérios:

1º terço – Contemplação dos Mistérios Gozozos;
2º terço – Contemplação dos Mistérios Luminosos;
3º terço – contemplação dos Mistérios Dolorosos;
4º terço – Contemplação dos Mistérios Gloriosos.

Quatro Terços formam um Rosário, onde cada terço representa um mistério.

Mistérios Gozosos + Mistérios Luminosos + Mistérios Dolorosos + Mistérios Gloriosos = 1 ROSÁRIO

Até aqui já sabemos como rezar o terço básico, bem como o Rosário, já que este é formado pela reza de quatro terços completos, cada um deles significando um Mistério. Cada Mistério está subdividido em cinco mistérios. Por exemplo, no terço do Mistério Gozoso rezaremos 5 (cinco) dezenas do terço, onde contemplaremos, em cada dezena, uma passagem bíblica. Veja como divide-se a contemplação de cada um dos quatro terços que formam o Rosário:

5. A Instituição da Eucaristia, expressão sacramental do mistério pascal.

MISTÉRIOS GOZOSOS (segunda-feira e sábado)
1. A encarnação do Filho de Deus.
2. A visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel.
3. O nascimento do Filho de Deus.
4. A Apresentação do Senhor Jesus no templo.
5. A Perda do Menino Jesus e o encontro no templo.

MISTÉRIOS DOLOROSOS (terça-feira e sexta-feira)
1. A Oração de Nosso Senhor no Horto da Oliveiras.
2. A Flagelação do Senhor.
3. A Coroação de espinhos.
4. O Caminho do Calvário carregando a Cruz.
5. A Crucificação e Morte de Nosso Senhor.

MISTÉRIOS GLORIOSOS (quarta-feira e domingo)
1. A Ressurreição do Senhor.
2. A Ascensão do Senhor.
3. A Vinda do Espírito Santo.
4. A Assunção de Nossa Senhora aos Céus.
5. A Coroação da Santíssima Virgem.

MISTÉRIOS LUMINOSOS (quinta-feira)
1. O Batismo no Jordão.
2. A auto-revelação nas bodas de Caná.
3. O anúncio do Reino de Deus convidando à conversão.
4. A Transfiguração.

Fonte: Blog como rezar o terco

Reflexao do dia: Novena Perpetua a N. Senhora do Perpetuo Socorro

maio 4, 2010

No mes das maes, de Nossa Senhora e de Santa Rita de Cassia, queremos brindar, o povo de Juiz de Fora com a Novena Perpetua em honra a N. Senhora do  Perpetuo Socorro.  Esta novena acontecera todas as quartas-feiras as 15h na Matriz de Santa Rita de Cassia. Comecaremos dia 06 proximo. Voce e’ nosso convidado. Para a Novena voce dve levar:

– o livrinho da Novena

– O pequeno catecismo da Igreja

-A Biblia Sagrada

– Lapis ou caneta.

Sera um momento de estudo e formacao. Anuncie e divulgue. Vamos elevar a unica e verdadeira religiao fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo – a Igreja Catolica.

Ex protestantes hoje Catolicos

dezembro 17, 2009

So uma Igreja foi fundada por Cristo. Maria e’ intercessora. Basta crer! Que testemunho lindo. Uma mae falando bem da Mae de Jesus. Deus tem seus caminhos. Ele fala no amor e na dor. Os filhos podem converter seus pais. Brindo voce, com este testemunho.

 

Reflexão do Dia: Maria a Imaculada Conceição de Deus

dezembro 7, 2009

Hoje quero dirigir minha sudação especial à Paroquia de Rio Novo, pela festa da padroeira nossa Senhora da Imaculada Conceição. Esta foto linda é da imagem da padroeira que esta sempre protegendo o povo desta cidade. Aqui eu conto a festa de Nossa Senhora na Itália, mas a senhora é a mesma. È ela que intercede por nos e nos abençoa sempre. Isso é para você entender a força desta mulher no mundo e no coração das pessoas. Rio Novo e Roma, bem como outras cidades que a tem como padroeira se unem numa só voz, para agradecer a Deus Mãe tão especial. Por isso que é bom ser católico. Por isso e que e bom ter Maria como Mãe.

Caríssimo amigo, aqui na Itália o dia 8 de Dezembro è dia Santo. Ninguém trabalha e os horários de missa são como de domingo. Nossa Paroquia Gesù Bambino celebrou o septenário da Imaculada Conceição. Em toas as missas se reflectiram um tema ligado ao Ano Sacerdotal. Maria é a mãe por excelência dos sacerdotes.

Como diz o padre Zezinho Maria é a Mãe de Jesus. Jesus é o Rei dos reis, logo Maria é Rainha. A causa de Jesus ela é Rainha do céu e da terra, porque Jesus é o Senhor, o Rei do Universo. Então agora você entendeu e riqueza do período do Advento. Termina o tempo comum com a festa de Jesus Rei do Universo e n meio do tempo do Advento se celebra a Imaculada Conceição de Maria.

Como disse antes, este Ano é um ano sacerdotal e, por sugestão minha, colocamos os temas dos dias do septenário Maria e qualquer referência bíblica que lembre o ministério sacerdotal. Então ficou assim a programação:

Maria Rainha dos Apóstolos

Maria Virgem do Cenáculo

Maria Templo do Senhor

Maria Mestra Espiritual

Maria Mediatriz de Graça

Maria Imagem da Igreja

Maria mãe do Belo Amor

Na vida o ser humano precisa de pão e beleza para viver. O pão devemos ganhar com o suor de nosso rosto como diz o capítulo quarto do livro do Génesis. A beleza podemos conquista-la. Maria é chamada a bela, ou seja, amável e pura por três motivos: primeiro porque é plena de Graça; segundo porque é enriquecida dos dons do Espírito Santo; terceiro porque é revestida do da Gloria do Filho do Homem e adornada de cada virtude. Assim, ela amou apaixonadamente Deus, seu admirável filho e todos os homens e mulheres da terra, do modo mais puro, aquele virginal e materno.

Ela foi esplendidamente participante do mistério da concepção e do nascimento de Cristo, mas não só, também de sua morte e ressurreição.

Assim, a Igreja a seu símbolo mais forte e a estrela da nova evangelização. Foi ela quem venceu a serpente do mal. Ela que esmaga a cabeça da serpente que se traveste de tentação para jogar os homens e as mulheres na região do pecado.

Maria Mãe de Jesus Rogai por nos!

Foto: Colaboracao de uma amiga de Rio Novo

Reflexao do Dia: Com o Terço na Mão

dezembro 7, 2009

 

            A pessoa que tem o habito de rezar o terço sabe na memória o resumo dos Evangelhos. Melhor conhecem a vida de Jesus. Se prestarmos bem a atenção, o terço tem como fundamento levar às pessoas simples a aprender mais sobre a vida de Jesus. Mesmo aqueles que não sabem ler, se rezam o terço, já sabem na memória quem é Jesus, como ele veio ao mundo, o nome da sua mãe e do seu pai, sabe que ele não teve irmãos de sangue, conhecem sua vida, morte e Ressurreição.

            O terço é a catequese mais simples que existe, mas ao mesmo tempo mais difícil. Se nós quando rezamos o terço sabemos de onde vem cada palavra que pronunciamos, ele vira uma oração fortíssima. É o nosso desejo mostrar pra você que a pessoa que reza o terço é uma pessoa culta na fé. Não é qualquer um com essa conversinha fiada que vai te desviar do caminho.

            A primeira coisa a falar é que Jesus é Deus e veio do alto. Consequentemente Nossa Senhora foi escolhida, por Deus para ser sua mãe de maneira diferente. Ela não conheceu nenhum homem para gerar Jesus, mas foi fecundada pelo Espírito Santo. “O Anjo do Senhor anunciou a Maria e ela concebeu, engravidou-se do Espírito Santo”. É a Palavra que se faz carne no ventre de Maria. Seja o Capitulo primeiro de São Lucas, seja o capitulo primeiro de são João vai deixar claro que Jesus vem de Deus e não de um homem, ou seja, o Pai de Jesus é deus mesmo e não um homem carnal. São João diz: “O verbo de Deus se fez carne e habitou entre nós”. Maravilhoso não?

            Já o profeta Isaias diz no capitulo sete, versículo 14 que: “uma virgem conceberá e dará à luz a um filho que é o Emmanuel Deus-Conosco”.  Só essa palavra de Isaias faz ver que Nossa Senhora foi pensada no coração de Deus. Aqui está todo mistério da gravidez e da virgindade de Nossa Senhora. Ela é uma filha predileta, amada de Deus. Então esse lugar especial que o catolicismo dá a nossa Mãe do céu não é criação de Papas ou de Bispos ou de Padres, mas nasce da própria Bíblia.

            Quem diz que ela é cheia de graça é o Arcanjo São Gabriel. Os anjos são mensageiros de Deus. Pra você entender bem Deus quem disse ao anjo vai lá na terra e diga àquela moça, Maria “Ave o Maria Cheia de Graça o Senhor é convosco”(confira são Lucas 1, 28   a O Senhor é convosco e por isso sois plena de graça. Plena de graça quer dizer que em Maria não tem espaço pra o pecado. Na verdade ela foi preparada por Deus para ser a mãe de seu Filho. Uma moça para gerar o Filho de Deus não poderia ter a mancha do pecado original,  portanto Nossa Senhora nasceu sem o pecado original. Por isso Cheia de Graça.

            Amigo, só para recordar: nós falamos nesta lição que a primeira parte da Ave Maria foi ensinada pelo Arcanjo São Gabriel por ordem de Deus. Quando rezamos a Ave Maria estamos repetindo a saudação do Arcanjo. Certo?

Com minhas Bênçãos

Reflexao do Dia: Peca a Mae que o Filho atende

dezembro 4, 2009

 Confie seus problemas a Nossa Senhora. Ela pode te ajudar. Rezemos todos juntos.

  

SCHOËNSTATT é um lugar sagrado que fica na continuação da Av. Batel, já nas curvinhas do Campo Comprido (tem um painel indicando p/entrar à esquerda), no município de Guarapuava-PR… Um lugar mágico!!!

É um lugar acolhedor, lindo, de uma energia maravilhosa…

Lugar onde são entregues muitos pedidos e agradecimentos…

Esta é a corrente do Padre Ignácio (sacerdote schoenstatteano), que começou em 10 de janeiro de 2005 e até agora não foi quebrada. Quando a receber, reze uma Ave Maria e faça um pedido especial, verá o que acontece quatro dias após o recebimento.

“Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois Vós entre as mulheres, bendito é o fruto de Vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte, Amém!”

(AGORA FAÇA SEU PEDIDO)
Por favor, não quebre esta corrente. Mande para 12 pessoas que você acredite serem merecedoras de justiça, paz, amor, saúde, prosperidade e verdade.

Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoënstat!!!

Colaboracao: Minha afilhada.

Nossa Senhora da Imaculada Conceicao de Rio novo onde fui ordenado sacerdote

dezembro 1, 2009

A Imaculada Conceição

 Reza o dogma católico que a Bem-aventurada Virgem Maria, desde o primeiro instante de sua conceição, foi preservada da nódoa do pecado original, por privilégio único de Deus e aplicação dos merecimentos de seu divino Filho.

 O dogma abrange dois pontos importantes:

 a) O primeiro é ter sido a Santíssima Virgem preservada da mancha original desde o princípio de sua conceição. Deus abrogou para ela a lei de propagação do pecado original na raça de Adão; ou por outra, Maria foi cumulada, ainda no começo da vida, com os dons da graça santificante.

 b) No segundo, vê-se que tal privilégio não era devido por direito. Foi concedido na previsão dos merecimentos de Jesus Cristo. O que valeu a Maria este favor peculiar foram os benefícios da Redenção, na previsão dos méritos de Jesus Cristo, que já existiam nos eternos desígnios de Deus.

Como se dá a transmissão do Pecado Original

 Primeiramente, é necessário esclarecer em que consiste a transmissão do “Pecado Original“. A lei geral: “Todos os homens pecaram num só” é o grande argumento dos protestantes contra a “Imaculada Conceição“. Tal lei é certa e, segundo vamos demonstrar, não encontra a mínima contradição com o dogma católico.

 S. Francisco de Sales, no seu “Tratado do amor de Deus“, exprime essa verdade de um modo singelo e glorioso! “A torrente da iniqüidade original veio lançar as suas ondas impuras sobre a conceição da Virgem Sagrada, com a mesma impetuosidade que sobre a dos demais filhos de Adão; mas chegando ali, as vagas do pecado não passaram além, mas se detiveram, como outrora o Jordão no tempo de Josué, aqui respeitando a arca da aliança a torrente parou; lá em atenção ao Tabernáculo da verdadeira aliança, que é a Virgem Maria, o pecado original se deteve.

 Os protestantes deveriam compreender a diferença essencial que há entre “pecar em Adão” e “pecar pessoalmente“, como são coisas bem distintas pertencer a uma raça pecadora e ser pecador.

 De que modo, afinal, contraímos nós o pecado original?

 Tal transmissão não se pode fazer pela “criação” da alma; afirmar isso seria dizer que Deus é o autor do pecado, o que é impossível e repugna. Não se transmite tão pouco pelos pais, pois a alma dos filhos não se origina das almas dos pais, mas é criada por Deus. A transmissão se efetua pela “geração“.

 A alma é criada por Deus no estado de inocência perfeita, mas contrai a “mácula”, unindo-se a um corpo formado de um gérmen corrompido, do mesmo modo que ela sofreria, se fosse unida a um corpo ferido. É a opinião de Santo Tomás.

 Santo Agostinho diz a propósito: “Apesar de nascerem de pais batizados, os filhos vêm à luz com o pecado original, como do trigo inutilizado germina uma espiga, em que o grão é misturado com a palha.”

 Nesse mistério do nascimento de uma criança, pelo exposto, opera-se uma dupla conceição: a da alma e a do corpo. Foi nesse momento quase imperceptível que Deus preservou do pecado original a “pessoa” de Maria Santíssima. Criou sua alma, como criou as nossas. Os progenitores de Nossa Senhora formaram-lhe o corpo, como nossos pais formaram o nosso. Até aqui tudo é natural; o milagre da preservação limita-se ao instante em que o Criador uniu a alma ao corpo.

 Desta união devia resultar a “transmissão do pecado“. Deus fez parar o curso desta transmissão, de modo que nela a união se operou, como se tinha realizado na pessoa de Adão, quando Deus, depois de ter feito o corpo do primeiro homem, soprou nele o espírito, constituindo-o na perfeição da inocência e justiça original.

 Maria é uma segunda Eva… mas Eva antes de sua queda! Tal é a sublime doutrina da Igreja de Cristo.

 A Exceção à Lei Geral

 Seria possível objetar-se que Deus não tem poder para derrogar as leis gerais por Ele mesmo estabelecidas?

 Seria negar a onipotência divina e fixar limites Àquele que não os tem.

 É uma lei geral que “todos pecaram num só“. Tal fato é universal, e todas as criaturas a ele estão subordinadas. Todavia, nada impede que, antes de efetuar-se a união da alma com o corpo, Deus possa intervir e suspender “um dos seus efeitos”, o qual é, precisamente, a transmissão desse “pecado original“.

 A Sagrada Escritura está repleta dessas derrogações de leis gerais. O movimento do sol e da lua está matematicamente fixado pela lei da natureza; entretanto, Josué não hesitou em fazê-lo parar: “Sol detem-te em Gibeon, e tu, lua, no vale de Hadjalon. E o sol deteve-se e a lua parou” (Jos. 10, 12-13).

 É uma lei que as águas sigam a correnteza do seu curso. Entretanto, “Moisés estendeu a mão…” o mar deixou livre o seu leito, partiram-se as águas, com um muro à sua esquerda e à sua direita (Exod. 14, 21 e 22).

 É uma lei que o um morto fique morto até à ressureição geral; entretanto, o próprio Cristo-Deus, diante do cadáver de Lázaro, já em putrefação, exclamou: “Lázaro, sai!” (Jo 11, 43 e 41). E imediatamente aquele que estava morto saiu vivo.

 Que prova isso, demonstra que “para Deus nada é impossível” (Lc 18, 27).

 Será, então, que os protestantes acham impossível que Deus preserve Maria Santíssima do Pecado Original?

 Se a lei geral fosse superior ao poder de Deus, como ficaria o Homem-Deus? Ele, em sua natureza humana, foi preservado do pecado original, mesmo nascendo de uma mulher. Se fosse impossível a Deus manter Imaculada a sua Mãe, também seria impossível manter “imaculado” o Seu Filho único, que nasceu verdadeiro Homem e verdadeiro Deus.

 Provas na Sagrada Escritura:

 Depois da queda do pecado original, Deus falou ao demônio, oculto sob a forma de serpente: “Ei de por inimizade entre ti e a mulher, entre sua raça (semente) e a tua; ela te esmagará a cabeça” (Gen 3, 15). Basta um pouco de boa-vontade para compreender de que “mulher” o texto fala. A única mulher “cheia de graça“, “bendita entre todas“, na qual a “semente” ou (raça) foi Nosso Senhor Jesus Cristo (e os cristãos), é a Santíssima Virgem, a nova Eva, mãe do Novo Adão. Conforme esse texto, há uma luta entre dois antagonistas: de um lado, está uma mulher com o filho; do outro, o demônio. Quem há de ganhar a vitória são aqueles e não estes. Ora, se Nossa Senhora não fosse imaculada, essa inimizade não seria inteira e a vitória não seria total, pois Maria Santíssima teria sido, pelo menos em parte, sujeita ao poder do demônio através do Pecado Original. Em outras palavras, a inimizade entre a mulher (e sua posteridade) e a serpente, implica, necessariamente, que Nosso Senhor e Nossa Senhora não poderiam ter sido manchados pelo pecado original.

 Na saudação angélica, quando S. Gabriel diz: “Ave, cheia de graça. O Senhor é convosco“. Ora, não se exprimiria desta maneira o anjo e nem haveria plenitude de graça, se Nossa Senhora tivesse o pecado original, visto o homem ter perdido a graça após o pecado.

 A maneira da saudação angélica transparece a grandeza de Nossa Senhora, pois o Anjo a saúda com a “Ave, Cheia de Graça“. Ele troca o nome “Maria” pela qualidade “Cheia de Graça“, como Deus desejou chamá-la.

 Ao mesmo tempo, a afirmação “o Senhor é convosco” abrange uma verdade luminosa. Se Nosso Senhor é (está) com Nossa Senhora antes da encarnação (“é convosco“). Sendo palavras anteriores à encarnação do verbo no seio da Virgem Maria, forçoso é reconhecer que onde está Deus não está o pecado. Ou seja, Nossa Senhora não tinha o “pecado original“.

 Prossegue o arcanjo: Não temas, Maria, pois “achaste graça diante de Deus“. Aqui termina a revelação da Imaculada Conceição para começar a da maternidade divina: “Eis que conceberás no teu ventre e darás à luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus“. (Lc 1, 28).

 Pela simples leitura percebe-se a conexão estreita entre duas verdades: “Maria será a mãe de Jesus, porque achou graça diante de Deus“.

 Mas, que graça Nossa Senhora achou diante de Deus para poder ser escolhida como a Mãe Dele? Ora, a única graça que não existia – ou que estava “perdida” – era a “graça original“. Falar, pois, que: “Maria achou graça” é dizer que achou a “graça original“. Ora, a “graça original” é a “Imaculada Conceição“!

 Os evangelhos sinóticos deixam claro que a palavra “Cheia de Graça“, em grego: “Kecharitoménê“, particípio passado de “charitóô“, de “Cháris“, é empregado na Sagrada Escritura para designar a graça em seu sentido pleno, e não no sentido corrente. A tradução literal seria: “omnino Plena Caelesti gratia” ou “Ominino gratiosa reddita“: “Cheia de graça“.

 Ou seja, a tradução do latim: “gratia plena” é mais perfeita do que a palavra portuguesa: “cheia de graça“. Nossa Senhora não apenas “encontrou graça“, mas estava “plena” de Graça. Corroborando o que disse o Arcanjo logo em seguida: “O Senhor é contigo“.

 Falando à Santíssima Virgem que Ela “achara graça“, o Arcanjo diz: Maria, sois imaculada, e, por isto, sereis a Mãe de Jesus Cristo.

 Também é pela própria razão que se pode concluir a Imaculada Conceição. É claro que o argumento racional não é definitivo, mas corroborou com muita conveniência – e completa harmonia – para com ele. Se Maria Santíssima fosse manchada do pecado original, essa mancha redundaria em menor glória para seu filho, que ficou nove meses no ventre de uma mulher que teria sido concebida na vergonha daquele pecado. Se qualquer mácula houvesse na formação de Maria Santíssima, teria havido igualmente na formação de Jesus, pois o filho é formado do sangue materno.

 S. Paulo assim se expressa sobre o ventre de onde nasceu o menino-Deus: “Cristo, porém, apareceu como um pontífice dos bens futuros. Entrou no tabernáculo mais excelente e perfeito, não construído por mãos humanas, nem mesmo deste mundo” (Hebr 9, 12).

 Que tabernáculo é esse, “não construído por mãos humanas“, por onde “entrou” Nosso Senhor Jesus Cristo? Fica claro o milagre operado em Nossa Senhora na previsão dos méritos de seu divino Filho. Negar que Deus pudesse realizar tal milagre (Imaculada Conceição) seria duvidar de sua onipotência. Negar que Ele desejaria fazer tal milagre seria menosprezar seu amor filial, pois, como afirma S. Paulo: Deus construiu o seu “tabernáculo” que não foi “construído por mãos humanas“.

 Ora, este tabernáculo, feito imediatamente por Deus e para Deus, devia revestir-se de toda a beleza e pureza que o próprio Deus teria podido outorgar a uma criatura.

 E esta pureza perfeita e ideal se denomina: a Imaculada Conceição.

 Agora examinemos a Tradição, desde os primeiros séculos:

 S. Tiago Menor, o qual realizou o esquema da liturgia da Santa Missa, prescreve a seguinte leitura, após ler uns passos do antigo e do novo testamento, e de umas orações: “Fazemos memória de nossa Santíssima, Imaculada, e gloriosíssima Senhora Maria, Mãe de Deus e sempre Virgem“.

 O santo Apóstolo não se limita a isso, mas torna a sua fé mais expressiva ainda. Após a consagração e umas preces, ele faz dizer ao Celebrante: “Prestemos homenagem, principalmente, a Nossa Senhora, a Santíssima, Imaculada, abençoada acima de todas as criaturas, a gloriosíssima Mãe de Deus, sempre Virgem Maria. E os cantores respondem: É verdadeiramente digno que nós vos proclamemos bem-aventurada e em toda linha irrepreensível, Mãe de Nosso Deus, mais digna que os querubins, mais digna de glória que os serafins; a vós que destes à luz o Verbo divino, sem perder a vossa integridade perfeita, nós glorificamos como Mãe de Deus” (S. jacob in Liturgia sua).

 O evangelista S. Marcos, na Liturgia que deixou às igrejas do Egito, serve-se de expressões semelhantes: “Lembremo-nos, sobretudo, da Santíssima, intemerata e bendita Senhora Nossa, a Mãe de Deus e sempre Virgem Maria“.

 Na Liturgia dos etíopes, de autor desconhecido, mas cuja composição data do primeiro século, encontramos diversas menções explícitas da Imaculada Conceição. Umas das suas orações começa nestes termos: Alegrai-vos, Rainha, verdadeiramente Imaculada, alegrai-vos, glória de nossos pais. Mais adiante, é pela intercessão da Imaculada Virgem Maria que o Sacerdote invoca a Deus em favor dos fiéis: “Pelas preces e a intercessão que faz em nosso favor Nossa Senhora, a Santa e Imaculada Virgem Maria.“.

 Terminamos o primeiro século com as palavras de Santo André, apóstolo, expondo a doutrina cristã ao procônsul Egeu, passagem que figura nas atas do martírio do mesmo santo, e data do primeiro século: “Tendo sido o primeiro homem formado de uma terra imaculada, era necessário que o homem perfeito nascesse de uma Virgem igualmente imaculada, para que o Filho de Deus, que antes formara o homem, reparasse a vida eterna que os homens tinham perdido” (Cartas dos Padres de Acaia).

 A doutrina da Imaculada Conceição era, pois, conhecida no primeiro século e por todos admitida. A esse respeito, nenhuma contradição se levantou na primitiva Igreja.

 No século segundo, os escritos dos Santos Padres falam da Imaculada Conceição como um fato indiscutível. Entre os escritores e oradores deste século, contamos: S. Jusitino, apologista e mártir; Tertuliano e Santo Irineu.

 No terceiro século, existem também textos claros em defesa da Imaculada Conceição. mas em menor quantidade.

 Santo Hipólito, bispo de Porto e mártir, escreveu em 220: “O Cristo foi concebido e tomou o seu crescimento de Maria, a Mãe de Deus toda pura“. Mais além ele diz: “Como o Salvador do mundo tinha decretado salvar o gênero humano, nasceu da Imaculada Virgem Maria“.

 Orígenes, que viveu em 226 e pareceu resumir a doutrina e as tradições de sua época, escreveu: “Maria, a Virgem-Mãe do Filho único de Deus, é proclamada a digna Mãe deste digno Filho, a Mãe Imaculada do Santo e Imaculado, sendo ela única, como único é o seu próprio Filho.”

 Em um dos seus sermões sobre S. José, Orígenes faz o mensageiro celeste dizer ao santo: “Este menino não precisa de Pai na terra, porque tem um pai incorruptível no céu; não precisa de Mãe no Céu, porque tem uma Mãe Imaculada e casta na terra, a Virgem Bem-aventurada, Maria“.

 No século quarto, aparecem inúmeros escritos sobre a Imaculada Conceição, cada vez mais explícitos e em maior número. Temos diante de nós as figuras incomparáveis de Santo Atanásio, de Santo Efrem, de S. Basílio Magno, de Santo Epifânio, e muitos outros, que constituem a plêiade gloriosa dos grandes Apóstolos do culto da Virgem Santíssima e, de modo particular, de sua Imaculada Conceição.

 Um trecho de Lutero, para mostrar que nem ele se atreveu a contestar a Imaculada Conceição: “Era justo e conveniente, diz ele, fosse a pessoa de Maria preservada do pecado original, visto o filho de Deus tomar dela a carne que devia vencer todo pecado“. (Lut. in postil. maj.).

 Para terminar, transcreveremos um pequeno soneto.

 Em 1823, dois sacerdotes dominicanos, Pes. Bassiti e Pignataro, estavam exorcizando um menino possesso, de 12 anos de idade, analfabeto. Para humilhar o demônio, obrigaram-no, em nome de Deus, a demonstrar a veracidade da Imaculada Conceição de Maria. Para surpresa dos sacerdotes, pela boca do menino possesso, o demônio compôs o seguinte soneto:

 “Sou verdadeira mãe de um Deus que é filho,
 E sou sua filha, ainda ao ser-lhe mãe;
 Ele de eterno existe e é meu filho,
 E eu nasci no tempo e sou sua mãe.

 Ele é meu Criador e é meu filho,
 E eu sou sua criatura e sua mãe;
 Foi divinal prodígio ser meu filho
 Um Deus eterno e ter a mim por mãe.

 O ser da mãe é quase o ser do filho,
 Visto que o filho deu o ser à mãe
 E foi a mãe que deu o ser ao filho;

 Se, pois, do filho teve o ser a mãe,
 Ou há de se dizer manchado o filho
 Ou se dirá Imaculada a mãe.

 Conta-se que o Papa Pio IX chorou, ao ler esse soneto que contém um profundíssimo argumento de razão em favor da Imaculada.

 Nossa Senhora foi a restauradora da ordem perdida por meio de Eva. Eva nos trouxe a morte, Maria nos dá a vida. O que Eva perdeu por orgulho, Nossa Senhora ganhou por humildade.

 O Dogma da Imaculada Conceição foi proclamado pelo Papa Pio IX, cercado de 53 cardeais, de 43 arcebispos, de 100 bispos e mais de 50.000 romeiros vindos de todas as partes do mundo, no dia 8 de dezembro de 1854.

 Passados apenas 3 anos dessa solene proclamação, em 11 de agosto de 1858, Nossa Senhora dignou-se aparecer milagrosamente quinze dias seguidos, perto da pequena cidade de Lourdes, na França, a uma pobre menina, de 13 anos de idade, chamada Bernadete.

 No dia 25 de março, Bernadete suplicou que Nossa Senhora lhe revelasse seu nome. Após três pedidos seguidos, Nossa Senhora lhe respondeu: “Eu sou a Imaculada Conceição“.

 Eis a chave de ouro que encerra a tradição ininterrupta dos Apóstolos.

Fonte: Lepanto